Jovem assassinado na UFG traficava dentro do campus, diz polícia

Dentro da cueca do rapaz foram encontradas duas porções de maconha

O jovem identificado como Luiz Carlos Pereira Castro, de 19 anos, assassinado na manhã desta terça-feira (5/6) no Campus Samambaia da Universidade Federal de Goiás (UFG), atuava como traficante na universidade.

De acordo com a delegada plantonista Magda Dávila, que realizou os primeiros levantamentos no local do crime, o jovem era conhecido na região. “Alguns alunos que chegaram no local reconheceram a vítima”, informou.

Momentos antes do crime, o jovem conversava com dois outros rapazes quando um deles efetuou os disparos. A polícia investiga se Luiz Carlos foi vítima de algum tipo de emboscada. “Tudo indica que pode ser um acerto de contas relacionado ao tráfico. Dentro da cueca do rapaz a polícia encontrou duas porções de maconha.”

A delagada ressalta que Luiz Carlos tinha passagens por tráfico, roubo qualificado, receptação e violação de domicílio. “Inclusive, ele foi abordado pela Polícia Militar na semana passada na região da universidade”, acrescentou.

O delegado Marco Aurélio Eusébio da Delegacia de Investigação de Homicídios (DIH), responsável pelo caso, afirmou que já está ouvindo testemunhas e assistindo as imagens das câmeras de segurança, mas ainda não pode divulgar maiores informações.

A UFG afirmou, por meio de nota, que o rapaz não era estudante da instituição. Confira o comunicado:

Sobre o homicídio ocorrido na manhã desta terça-feira (5/6) no Câmpus Samambaia, em uma área externa aos prédios, a Universidade Federal de Goiás (UFG) informa que, assim que comunicada da ocorrência, as equipes de segurança cercaram o local e acionaram a Polícia Militar. A vítima não era estudante da UFG e os indícios são de execução, já que não houve troca de tiros. As informações sobre o veículo utilizado pelos suspeitos do crime foram repassadas à PM.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.