José Eliton: “O que ganha eleição é trabalho, não pesquisa”

A pesquisa realizada pelo Instituto Serpes  foi divulgada no último domingo (14/8)

Foto: Divulgação.

O governador e candidato à reeleição José Eliton (PSDB) comentou os dados da pesquisa Serpes, divulgada no último domingo (12/8) pelo jornal O Popular, durante apresentação do Plano de Governo nesta manhã de terça-feira (14).

Na ocasião, o governador disse que analisa as pesquisas sempre com muita naturalidade e sem ansiedade. Nas palavras do tucano, o que ganha a eleição é o trabalho e não as pesquisas, citando pesquisa Serpes realizada às vésperas das eleições em 2014.

“Eu me recordo que em 2014 na véspera das eleições o Serpes apontou uma vitória de mais de 20 pontos de frente para o então candidato ao Senado Ronaldo Caiado, no dia seguinte foi menos de 2% a diferença de um para o outro, ou seja, um erro de mais de 20 pontos percentuais de um dia para o outro dia”, diz.

O candidato citou ainda as eleições de 1998, quando o Instituto de pesquisa Ibope errou por quase 15 pontos percentuais da eleição do, então jovem desconhecido, Marconi Perillo, naquele momento.

“Em 1998, o jovem Marconi Perillo poderia ter ganhado as eleições no primeiro turno e as pesquisas atrapalharam a decisão do eleitor levando a disputa para o segundo turno”, disse.

O governador também voltou a reiterar que seu foco é a administração do Estado, e emendou dizendo que participará da agenda política apenas aos finais de semana, nos períodos noturno e ao meio dia.

“Meu compromisso número um é com Estado, eu tenho mandato até o dia 31 de dezembro de 2018. E vou focar 100% nessa questão, já discuti com a coordenação de campanha, com a professora Raquel, os senadores Lúcia Vânia e Marconi Perillo, os suplentes de senadores todos eles vão pra frentes de campanha política. E fora do expediente estarei participando de agendas políticas, nos períodos noturnos, ao meio dia, nos finais de semana”, destacou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.