Jornal Nacional destaca atuação de Marconi na aprovação da Lei da Ficha Limpa

Telejornal da Globo apresentou governador entre lideranças políticas decisivas para aprovação da Lei, fruto da iniciativa popular

Reprodução

O governador Marconi Perillo (PSDB) foi destaque em reportagem especial do Jornal Nacional, da Rede Globo, sobre a aprovação da Lei da Ficha Limpa, que determinou a inelegibilidade, por oito anos, de políticos condenados em processos criminais em segunda instância. Na reportagem, veiculada na edição desta quarta-feira (25/1), o JN listou Marconi, então senador, entre as lideranças decisivas para a aprovação da Lei da Ficha Limpa, fruto de iniciativa popular. O telejornal mostrou que Marconi presidiu a sessão do Senado Federal que instituiu as regras.

A história sessão do Senado Federal foi realizada em 19 de maio de 2010, quando a lei foi aprovada por unanimidade. “Vamos proclamar o resultado: 76 votantes, nenhuma abstenção, nenhum voto não, 76 votos sim. Está aprovado o projeto Ficha Limpa nessa sessão histórica para o Senado federal, para o Congresso Nacional e para o Brasil”, disse Marconi à época em declarações reproduzidas na reportagem especial do JN.

Marconi defendeu a instituição da lei desde o início de sua propositura, e atuou para que o conjunto de regras se transformassem em norma federal. No Senado, teve papel decisivo para que o projeto fosse a votação no plenário de Casa e articulou, junto a outras lideranças, os votos necessários para aprová-la. De volta ao Governo de Goiás, em 2011, Marconi editou decreto determinando que a Lei da Ficha Limpa fosse observada e cumprida na nomeação de auxiliares e ocupantes dos cargos de direção e assessoramento em todos os níveis da administração estadual.

A Lei da Ficha Limpa surgiu de um projeto de iniciativa popular e contou com uma campanha da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, “Combatendo a corrupção eleitoral”, iniciada em 1997. O objetivo era aprovar uma lei que garantisse “eleições mais limpas no Brasil.” A proposta ganhou a adesão de vários partidos políticos e, de 1997 a 2009, ano em que começou a tramitar no Congresso Nacional, passou por intensa mobilização e debates em todo o País. Recolheu 1,6 milhão de assinaturas, além do apoio de 2 milhões de pessoas pela internet.

Recebeu tramitação rápida na Câmara dos Deputados e no Senado e começou a vigorar no dia 04 de junho de 2010, quando o então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou a lei sem nenhuma mudança no texto que foi do Congresso para o Palácio do Planalto. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) chegou a defender a aplicação da lei para 2010, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela aplicação da anualidade, e a Lei da Ficha Limpa só começou a valer nas eleições municipais de 2012.

Deixe um comentário