Projeto que cria corredor ecológico para a proteção da onça-pintada às margens dos rios Araguaia e Tocantins está em análise na Câmara dos Deputados. De autoria do deputado Ismael Alexandrino (PSD), o projeto se refere a uma área contínua entre os estados de Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Pará e Maranhão.

De acordo com a Agência Câmara de Notícias, a proposta visa proteger a onça-pintada. Como consequência, na condição de espécie topo de cadeia, protege também a biodiversidade naquele território, incluindo os habitats. Segundo o deputado Ismael Alexandrino, não se trata de uma nova área de preservação, pois já existem 56 ao longo desse percurso.

Para o presidente do Instituto da Onça Pintada, Leandro Silveira, o projeto também versa sobre reconhecer esse corredor ecológico como a área mais importante do Brasil. “Vai ser o maior corredor de biodiversidade do mundo”, reforça.

Além disso, o projeto permite conservar e recuperar as Áreas de Preservação Permanente (APPs) localizadas na área do corredor, seguindo as diretrizes do Código Florestal. Com isso, é possível conciliar a conservação da biodiversidade com o crescimento socioeconômico, incentivando a participação da sociedade em atividades compatíveis com a promoção da sustentabilidade.

Também está previsto que será necessário orientar os proprietários rurais sobre a recuperação, a conservação e a regularização de áreas de preservação ou reserva legal. Desta forma, objetiva-se proteger e conservar as nascentes ao longo da extensão do corredor, bem como as paisagens naturais e os ecossistemas.

Mapa mostra o corredor da onça pintada | Fonte: Agência Câmara de Notícias

Pelo texto, a União, os estados e municípios inseridos na área delimitada deverão dar tratamento prioritário ao Corredor Ecológico Onça-Pintada. Para isso, poderão celebrar convênios, termos de cooperação e parcerias público-privadas.

“O projeto protege habitats naturais nos biomas Cerrado e Amazônia, estimula o desenvolvimento sustentável e promove a coexistência das comunidades com a onça-pintada”, disse o autor da proposta, deputado Ismael Alexandrino (PSD). O deputado destacou ainda que há o compromisso de salvar a espécie, conforme o Plano de Conservação Onça-Pintada 2030 para as Américas, anunciado durante a 14ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-14).

Agora, o projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado por duas comissões: a de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e a de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

Sobre as onças pintadas:

Leandro Silveira, presidente do Instituto Onça-Pintada (IOP), explica que o ICMBio classifica as onças-pintadas como animais em risco de extinção. “Atualmente, menos de 10% das onças pintadas estão em áreas protegidas pelo governo”, alerta.

O biólogo ainda diz que os corredores ecológicos são importantes para permitir que as populações, que vivem fragmentadas em diferentes áreas, continuem conectadas de alguma forma. Por isso, o especialista explica que caso esses animais percam a conexão, podem desenvolver problemas genéticos, e a consanguinidade pode levar os animais a extinção.

O especialista também explica que os animais são excelentes bioindicadores, porque “só vivem em ambiente que está com qualidade ambiental alta. Então o local onde uma onça vive e se reproduz precisa ter abrigo e muita comida, tanto para a onça quanto para suas presas”.

Veja algumas onças do Instituto Onça Pintada:

Leia também:

Gustavo e Amora, casal de tamanduás de Goiânia, têm filhote apresentado ao público

Vídeo: Sucuri Ana Júlia, símbolo da região de Bonito (MS), é encontrada morta

Ibama mantém sob tratamento onça-parda atropelada em rodovia de Goiás