Iris é o candidato do PMDB, garante Bruno Peixoto

Segundo o presidente do Diretório Metropolitano do partido, a sigla e Goiânia precisam do ex-governador como prefeito nas eleições de 2016

Diretório Metropolitano do PMDB discute formação de sub-diretórios - Foto: Augusto Diniz

Diretório Metropolitano do PMDB discute formação de sub-diretórios – Foto: Augusto Diniz

Ao ser questionado sobre o momento da aliança com o PT em Goiânia no dia em que o deputado estadual petista Luis Cesar Bueno lançou sua pré-candidatura à Prefeitura da capital, o também deputado estadual e presidente do Diretório Metropolitano do PMDB Bruno Peixoto respondeu rapidamente: “Nós estamos apresentando Iris Rezende Machado como nosso pré-candidato”.

Bruno Peixoto reforçou que o nome a ser defendido nas convenções do PMDB para prefeito de Goiânia será o do ex-governador Iris Rezende, mas que as alianças serão discutidas apenas em 2016.

“O nosso projeto é independente deste ou daquele que venha a apoiar o PMDB nas eleições”, explicou o deputado.

Para Bruno Peixoto, a defesa de Iris como candidato é inquestionável. “O nosso partido precisa mais que ele seja candidato, Goiânia precisa mais que ele seja candidato, do que o contrário.”

Sub-diretórios

“Hoje nós estamos lançando a ideia dos sub-diretórios em nosso partido.” De acordo com o presidente metropolitano do PMDB, o momento é de aproximação da sigla em todos os aproximadamente 700 bairros da capital, entre regularizados ou não.

Segundo Bruno Peixoto, cerca de 150 setores de Goiânia foram convidados para a reunião de na tarde desta terça-feira (15) no auditório da Câmara Municipal na intenção de formar os primeiros sub-diretórios. “E nós pretendemos até janeiro (ter) aproximadamente 700 sub-diretórios.”

Os sub-diretórios nos bairros serão formados pelos cargos de presidente, vice-presidente, 1º e 2º secretários, diretor social e do 1º ao 5º vogal, conforme publicação assinada na segunda-feira (14) por Bruno Peixoto.

Impeachment e Cunha

Por decisão do Diretório Metropolitano e da comissão provisória estadual do PMDB, Bruno Peixoto preferiu não comentar a abertura do processo de impeachment contra a presidente da República Dilma Rousseff (PT), os mandados de busca e apreensão nos imóveis do presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e a situação dele no Conselho de Ética da Casa.

“Nós não vamos nos manifestar. Até mesmo porque nós estamos voltados para o trabalho na capital e no Estado.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.