Iris desconversa sobre pagamento da data-base dos servidores

Lei determina que o reajuste deveria ter sido enviado como projeto à Câmara Municipal há mais de dois meses. Segundo o prefeito, servidores “entenderam” a demora

O prefeito Iris Rezende (PMDB) desconversou, nesta terça-feira (4/7), ao falar sobre os projetos de data-base dos servidores do município. Por lei, o projeto de reajuste inflacionário do salário dos trabalhadores teria que ter sido enviado à Câmara Municipal no início do mês de maio.

Questionado sobre o assunto, Iris disse que a questão financeira deve ser tratada com “muita cautela” e que ainda não fez o reajuste porque estava cuidando das contas do município. “O dia que tomei posse os funcionários da saúde estavam em greve porque sentiram que não iam receber dezembro. Assumi com quase R$ 600 milhões em dívidas e a primeira preocupação foi cuidar das finanças, cortar e reduzir para ter condição de investir”, declarou.

Segundo o prefeito, os servidores “entenderam” a situação do Paço Municipal e, além disso, o momento era de conter gastos e agir, e não de enviar projetos à Câmara. Ele não comentou, entretanto, o fato de a data-base independer da vontade do chefe do Executivo, já que é um direito constitucional e está na lei.

No mês passado, o vereador Elias Vaz (PSB) chegou a entrar com uma representação no Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) para exigir o envio do projeto da data-base. Como é determinada por lei, lembrou ele, o descumprimento do reajuste pode configurar crime de responsabilidade.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.