Instituições e entidades goianas se manifestam contra a Operação R$ 2,80

Em nota, a União Estadual de Estudantes classificou as prisões como “arbitrárias” e avaliou a ação policial no caso como uma “ameaça à liberdade de expressão e da livre manifestação”

As prisões de três estudantes entre 18 e 20 anos, por meio da deflagração da Operação R$ 2,80, fez com que instituições e entidades goianas se manifestassem sobre a ação. A maioria assumiu uma posição contrária às detenções e ao modo como a Polícia Civil tem conduzido a ação comandada pelo delegado Alexandre Lourenço, da Delegacia Estadual de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco).

Em nota de repúdio, a União Estadual de Estudantes (UEE-GO) classificou as prisões como “arbitrárias” e avaliou a ação policial no caso como uma “ameaça à liberdade de expressão e da livre manifestação”. “Em tempo, solicitamos as autoridades competentes ações concretas para que o mesmo não torne a ocorrer”, defende a entidade ao finalizar o comunicado enviado à imprensa.

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) em Goiás também demonstrou solidariedade aos estudantes detidos, adotando uma posição crítica diante da operação da Polícia Civil. Ao defender as liberdades de manifestação, organização e expressão, a legenda, por meio de nota, defende que as prisões visam “criminalizar aqueles que organizam a luta do povo por melhores condições de vida”.

O Conselho Universitário da Universidade Federal de Goiás (UFG) também se manifestou acerca da decretação preventiva dos estudantes. Em informe publicado em seu site, a instituição de ensino defendeu o “compromisso de respeito à liberdade, à diversidade, ao pluralismo das ideias e a organização e manifestação política, sem discriminação de qualquer natureza”.

A nota manifestou convicção, por parte da UFG, de que as instituições envolvidas irão atuar na apuração dos fatos, assegurando a cada um dos estudantes a garantia de integridade física e à ampla defesa. Inclusive, a universidade, por meio de alguns professores, tem prestado atendimento jurídico aos discentes.

A Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB-GO) também tem acompanhado a operação como observadora. Na última sexta-feira, a pedido da seccional, a Secretaria de Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus) colocou os estudantes em separado dos detentos da Casa de Prisão Provisória (CPP).

Prisões

A Operação R$ 2,80 foi deflagrada na manhã da última sexta-feira visando prender líderes estudantis, suspeitos de pregar a desordem e incitar a população a depredar veículos do transporte coletivo da Grande Goiânia.

A ação contou com a participação de 25 policiais. Em entrevista coletiva, o delegado Tiago Torres disse que foi apreendido um vasto material suspeito, dentre eles bandeiras, cartazes, gases e produtos para a fabricação de coquetel molotov, arma química incendiária geralmente utilizada em protestos. Os agentes investigaram os suspeitos por meio de páginas das redes sociais e pela circulação de panfletos que divulgavam durante as manifestações.

Os três estudantes detidos são acusados de formação de quadrilha, danos ao patrimônio e incitação ao crime. Eles integram o grupo Frente de Luta pelo Transporte Coletivo, responsável por organizar protestos na capital goiana em prol da melhoria do setor.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.