Igor Montenegro: “Valorizar os pequenos negócios torna o País melhor”

Presidente do Sebrae-GO lança campanha nacional de incentivo ao consumo de produtos e serviços locais

Igor Montenegro visita o Jornal Opção | Foto: Alexandre Parrode / Jornal Opção

Igor Montenegro visita o Jornal Opção | Foto: Alexandre Parrode / Jornal Opção

O presidente do braço goiano do Sebrae, Igor Montenegro, apresentou ao Jornal Opção a nova campanha nacional da entidade “Compre do Pequeno Negócio”. Em visita na manhã desta segunda-feira (17/8), ele defendeu que ações microeconômicas podem ajudar o Brasil a superar a crise.

Com o objetivo de impulsionar a economia e, assim, fortalecer as micro e pequenas empresas locais, o movimento pretende mostrar que é importante prestigiar os negócios locais. “Valorizar pequenos empreendimentos é um ato para tornar o País melhor”, defende.

Atualmente, 95% de todas as empresas do Brasil são micro ou pequenas — a porcentagem equivale a 10 milhões de negócios, que geram 17 milhões de vagas de trabalho (52% de todo os empregos formais do País).

Embora os números surpreendam, a participação delas no Produto Interno Bruto (PIB) ainda é pequena — apenas 27% de toda a riqueza produzida no Brasil. “Na Itália, 60% do PIB advém do micro empreendedorismo; na Alemanha, 45%. Isso mostra que ainda temos um longo caminho para aumentar a distribuição de renda no País e diminuir a concentração produtiva”, afirma o presidente.

Para tanto, o Sebrae propôs o movimento, que será realizada nacionalmente no dia 5 de outubro. Até lá, a sucursal goiana realizará uma série de eventos de modo a preparar os empreendedores em todo o Estado e conscientizar a população. Serão feiras, oficinas e palestras em 20 cidades goianas.

Justificativa

Infográfico sobre o empreendedorismo no Brasil (clique na imagem para expandi-la)

Infográfico sobre o empreendedorismo no Brasil (clique na imagem para expandi-la)

Igor Montenegro defendeu a importância de prestigiar os micro e pequenos empreendedores com base em cinco pilares. O primeiro deles é justamente a valorização da cultura local. “Comprar no açougue da esquina ajuda as pessoas que moram na sua cidade e, assim, gera empregos locais”, sustenta.

O segundo motivo está relacionado justamente à criação de empregos. Embora as pessoas achem que são as grandes indústrias que empregam mais, dados mostram que são as micro e pequenas que geram mais oportunidades de trabalho.

Com o problema da mobilidade urbana, principalmente nos grandes centros, comprar no seu bairro, além de fazer com que o dinheiro fique no seu bairro, ajuda diminuir a poluição ambiental, gerando qualidade de vida.

Se os pequenos negócios locais têm mais renda, mais desenvolvida ficará sua comunidade. “A economia regional cresce, fortalecendo toda a cidade, gerando desenvolvimento e estimulando a inovação”, complementa Igor.

Por fim, comprar do pequeno negócio “é um ato transformador”, pois incentiva que mais empreendedores se formalizem. “Muitas pessoas dizem que eles não pagam impostos. Não é verdade. São mais de 300 bilhões de reais em contribuição fiscal”, arremata.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.