Homem é amarrado e espancado por populares após tentar roubar veículo; veja vídeo

Foragido da Justiça, ele andava desarmado e roubava mulheres aos gritos

Mais um caso de “justiça feita com as próprias mãos” quase foi consumado na última quinta-feira (11/7), em Goiânia. Um ladrão de carros quase foi linchado após ser detido por populares ao tentar roubar o carro de uma mulher no Setor Leste Universitário, em Goiânia. Fabrício Alves Silva completou 24 anos na última quinta-feira, dia em que seu roubo foi frustrado quando a vítima reagiu. Desarmado, o ladrão possuía uma forma específica de roubar: aos gritos.

A delegacia informou que Fabrício se aproximava de mulheres e gritava para que elas passassem a chave do carro. A vítima havia acabado de estacionar o carro por volta das 11h, próximo ao Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC-UFG) quando foi abordada pelo suspeito. Assutada, ela não entregou a chave, e começou a pedir socorro.

Fabrício tentou correr, mas foi detido por populares que passavam pelo local e viram a movimentação e os pedidos de ajuda da mulher. O jovem de 24 anos foi espancado e teve os pés e as mãos amarrados juntos. Com o rosto encostado no asfalto, Fabrício teve sorte da Polícia Militar ter chegado a tempo de evitar o seu linchamento.

O suspeito é foragido da Justiça, sendo que possui passagens por roubo de veículos, um mandado de prisão em aberto por homicídio em 2010 e pela tentativa de homicídio da sogra.

Veja abaixo o vídeo filmado por populares no local:

*Leia mais:

Comissões da OAB-GO averiguam casos de justiçamento no Estado
Se o Estado não se dá ao respeito, a população toma conta da pior forma

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Ozanir Gonçalves Itacarambi

Todas as pessoas podem, e a autoridade policial ou seus agentes deverão prender quem se encontre em flagrante delito (art. 301, do CPP). Ao prender esse homem os populares agiram dentro da lei. O que não é permitido é agredi-lo depois de subjugado. Parece que não é o caso.