Grupo de Teatro Destinatário encena O Abajur Lilás, de Plínio Marcos

Espetáculo foi apresentado em Goiânia pela primeira vez em 2014 com direção de Natássia Garcia e agora volta em uma nova temporada ainda maior

Obra aborta temas como feminicídio, prostituição, políticas de saúde coletiva, ditadura civil-militar e homofobia | Foto: Divulgação

O grupo Teatro Destinatário volta a apresentar, a partir desta sexta-feira (5/5), a peça O Abajur Lilás, escrita pelo dramaturgo Plínio Marcos. O espetáculo foi encenado pela primeira vez em 2014 com direção de Natássia Garcia e agora volta em uma nova temporada ainda maior, que conta com o apoio institucional da Lei Municipal de Incentivo à Cultura Goiânia.

A novidade é o Boteco Político, que vai debater, após cada apresentação, temas contemporâneos que de alguma forma estão ligados ao universo da obra de Plínio Marcos; como feminicídio, prostituição, políticas de saúde coletiva, ditadura civil-militar, homofobia e o próprio teatro. O endereço da atual montagem é o Espaço Cultural Novo Ato, no Setor Crimeia Leste.

Na peça, Giro, Oswaldo, Dilma, Célia, Leninha e outros personagens, representativos da temática abordada, são as figuras que habitam o “mocó” e compõem o cenário da zona de prostituição. A direção realista de Natássia Garcia capta a crueza da ação, em um ousado jogo de cena que escancara o lado mais duro de quem enfrenta a sociedade vivendo à margem. Assim, as cenas são cruas e não se furtam da violência, do escárnio e da nudez do elenco, que se despe metafórica e literalmente.

“Com humor e dor, os atores e as atrizes buscam expor ao público os estados e as relações de poder que envolvem estes personagens, que sobrevivem em condições precárias, na base da ‘crueldade’. Na encenação, na metáfora e no simbolismo dos estilhaços do abajur lilás, são esgarçados o movimento de desumanização, o sentimento de amor, de desamor e as possibilidades de fé na humanidade,” define a diretora da peça.

A direção de arte é de Luan Roger de Carvalho, Natássia Garcia e Naty Paiva. O trabalho de pesquisa para a cenografia e o figurino é uma atração à parte. Com esmero, peças de época foram coletadas em brechós para recriar fielmente um cafofo suburbano da década de 1960.

Os atores, caracterizados como prostitutas e cafetões recebem o público na rua e o encaminha para o estabelecimento, estrategicamente adornado com uma lâmpada vermelha. O público se acomoda como pode no local, caracterizado como um apartamento fétido e claustrofóbico, usado como ponto de encontro das prostitutas. E acaba fazendo parte da cena, não como simples espectadores, mas como testemunha da ação.

Sobre O Abajur Lilás

A peça foi escrita em 1969, em plena ditadura militar, porém só foi liberada pela censura 11 anos depois, em 1980. Tendo a montagem sido interrompida e retomada algumas vezes até sua liberação, O Abajur Lilás mobilizou toda a classe teatral, tornando-se símbolo de resistência.

A ação tem lugar no prostíbulo de Giro, um homossexual sem piedade que conta com o violento Osvaldo, seu amante, para fazer valer sua autoridade ali. Em estado de extrema degradação humana, três prostitutas tentam sobreviver. A sofrida Dilma, que se apega aos valores e ao filho que precisa criar; a rebelde Célia, que só deseja tomar o prostíbulo e o poder para si; e a dissimulada Leninha, novata no lugar, individualista e parece não se abalar com os conflitos alheios. Tudo se complica quando um abajur aparece quebrado no dormitório e nenhuma das três assume a culpa.

Programação:

  • 12/05 (sexta feira)
    Espetáculo O Abajur Lilás às 19h
    Debate – Políticas de saúde coletiva e prostituição, com José Antônio e Yordana Lara;
  • 13/05 (sábado)
    Espetáculo O Abajur Lilás às 20h
    Debate – Homofobia – luta contra o preconceito e resistência política e social, com Leo Mendes, mediação Luciano de Freitas, ator do elenco;
  • 19/05 (sexta feira)
    Espetáculo O Abajur Lilás às  19h
    Debate – Ditadura militar, golpe e a atualidade do tema, com professora Miriam Bianca e professor José Paulo Pietrafesa;
  • 20/05 (sábado)
    Espetáculo O Abajur Lilás às 20h
    Debate – O teatro de Plínio Marcos, mediação Jéssika Hannder, com a diretora Natássia Garcia e o grupo Teatro Destinatário;
  • 26/05 (sexta feira)
    Espetáculo O Abajur Lilás às 19h
    Debate – Feminismo e a luta contra o feminicídio e a cultura do estupro, com professora Luciana de Oliveira Dias, mediação Ludmyla Marques, atriz do elenco.
  • 27/05 (sábado)
    Espetáculo O Abajur Lilás às 20h
    Debate – Prostituição e profissionais do sexo, com Marcos Maria Branquinho e mediação de Thiago Santana, ator do elenco

Serviço

O Abajur Lilás, com o Grupo Teatro Destinatário
Data: Dias 12, 13, 19, 20, 26 e 27 de maio de 2017
Horários: Sextas às 19h e sábado às 20h
Local: Espaço Cultural Novo Ato (R. Dr. Sebastião Fleury Curado, 193 – St. Crimeia Leste, Goiânia)
Ingressos: R$ 20,00 reais, a inteira e R$ 10,00 reais, a meia.
Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente pelos telefones, (62) 3225-1136, (62) 99857-3230 e (62) 99115-1631

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.