Na sexta, 22, ministro da Saúde assinou portaria que declarou fim da emergência sanitária por conta da Covid-19

A Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) informou que segue em vigência a emergência na saúde pública decorrente da disseminação do coronavírus até o próximo sábado, 30. Em contra-mão ao Governo Federal no qual o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assinou portaria na sexta-feira, 22, declarando o fim da situação de calamidade no Brasil.

Em justificativa pela prorrogação da portaria, a SES-GO diz que definirá as orientações na próxima semana para a atualização do decreto em Goiás, “levando-se em consideração a redução no número de casos, internações e óbitos por Covid-19 nos últimos meses e semanas epidemiológicas e, consequentemente, a visível tendência gradual de queda no número de solicitações de leitos de enfermaria e UTI para pacientes vítimas da doença, refletindo na baixa taxa de ocupação dos leitos Covid-19, além dos índices de vacinação que atualmente já superam 75% da população a partir de 5 anos com ao menos duas doses da vacina contra a Covid-19”. Atualmente, o Estado conta com 28 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para adultos disponíveis, com taxa de ocupação de 53%. Enfermaria (adulto) possui ocupação de 35% com 28 livres. A ala pediátrica possui situação crítica, com 73% dos leitos de UTI ocupados e 3 disponíveis.

Em relação a aquisição e processos que ainda utilizavam a Emergência em Saúde Pública de Importância Sanitária (ESPIN), a SES-GO afirma que será adaptado no prazo de 30 dias, conforme determina a portaria do Ministério da Saúde. A pasta destaca ainda que o encerramento da ESPIN em nível nacional não declara o fim da pandemia, visto que essa é uma responsabilidade da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Sobre o monitoramento do cenário epidemiológico em Goiás, a SES-GO esclarece que “expandiu o número de unidades sentinela para Síndrome Gripal no Estado de Goiás, para vigilância dos casos leves e monitoramento dos vírus e cepas circulantes, e permanecerá reforçando junto à população dos 246 municípios goianos a importância da manutenção dos cuidados, bem como o estímulo para a vacinação, testagem e monitoramento de casos, internações e óbitos”.