Futuro secretário defende ampliação de programas sociais no governo Caiado

Secretaria de Desenvolvimento Social fará recadastramento de beneficiários para apurar possíveis incongruências na concessão de benefícios

Foto: Reprodução

A menos de duas semanas de assumir o comando da Secretaria de Desenvolvimento Social de Goiás (SEDS), que assumirá as atribuições da atual Secretaria Cidadã, o prefeito de Santa Terezinha de Goiás Marcos Cabral (DEM) defendeu nesta terça-feira, 18, a manutenção e ampliação dos atuais programas sociais executados e outras ações em prol das pessoas que dependem do amparo do governo do estado.

Entre as iniciativas que serão mantidas estão o Renda Cidadã, o Passe Livre Estudantil, cursos de qualificação de jovens visando o primeiro emprego, apoio ao extenso trabalho desempenhado por entidades filantrópicas e religiosas, beneficiando desde crianças a idosos.

“Esse compromisso com o social não é só meu, mas também do governador Ronaldo Caiado e da primeira-dama Gracinha Caiado, futura presidente da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG). Nós queremos inovar, transformar a vida das pessoas que estejam cadastradas em ações promovidas pela secretaria, de modo que elas possam ter autonomia e vejam uma porta aberta ao futuro”, frisou.

Cabral reforçou ainda que pretende estreitar relacionamento com a OVG, prefeituras em todo o estado, entidades que promovem ações sociais e ainda com o Ministério Público, que constantemente faz recomendações sobre o melhor modo de executar as ações sociais dentro do regulamento do serviço público.

“Nós queremos que as iniciativas que executamos cheguem àqueles que demandam o apoio de ações sociais do governo do estado, em todos os 246 municípios de Goiás, nas vilas, nas zonas rurais, e ajudem a resgatar a dignidade das pessoas”, avaliou.

Inquirido sobre os menores reeducandos, questão que teve grande repercussão neste ano de 2018, após a morte de 10 menores infratores e a fuga de outros em unidades espalhadas estado afora, Marcos Cabral reiterou a importância da ressocialização e que o tema terá sua atenção.

“Não podemos criminalizar quem, ao longo de suas vidas, não teve acesso aos serviços públicos de saúde, educação e assistencial social, mas queremos que o menor infrator tenha o amparo de pessoas capacitadas que possam contribuir para socializá-los e reinseri-los na sociedade.

Austeridade

As dificuldades econômicas vividas por Goiás também estão no escopo de atuação de Marcos Cabral à frente da SEDS. Segundo ele, uma de suas primeiras ações à frente da pasta é determinar o recadastramento de beneficiários para apurar possíveis incongruências na concessão de benefícios sociais. Para isso, pretende contar apoio tecnológico e de pessoal qualificado para cruzamento de dados com bancos de dados de outros órgãos e do governo federal.

“Vamos estudar a questão com pessoas da área, desde psicólogos, assistentes sociais e outros técnicos capacitados e parceiros para somarmos esforços em uma frente a favor das políticas sociais, de modo a garantirmos a efetividade do trabalho desempenhado pela secretaria de Desenvolvimento Social”, finalizou.

O futuro auxiliar de Ronaldo Caiado negou ainda qualquer critério político na concessão ou manutenção de beneficiários do Renda Cidadã ou de outros programas e ações sociais, que segundo ele, obedecerão critérios objetivos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.