Friboi avisa: “Estou e continuarei no PMDB. Não vão conseguir me expulsar”

Empresário acredita que pedidos para expurgá-lo são infundados e advindos de uma minoria do partido: “querem tentar impedir minha eleição no diretório estadual”

Friboi garante que vai continuar no PMDB | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Friboi garante que vai continuar no PMDB | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Após reunião da Executiva estadual e da Comissão de Ética do PMDB na última quarta-feira (11/2), quando foram recebidos pedidos para expulsão de vários integrantes da legenda em Goiás, Júnior Friboi revelou ao Jornal Opção Online que está “tranquilo” com o processo contra ele.

De acordo com o empresário, a ação partiu de uma minoria e que esta não retrata a situação atual do partido. Para ele, faltam provas e há uma tentativa de impedí-lo de pleitear a direção estadual nas eleições do fim do ano. “Uma meia dúzia que não têm argumentos. Estou no PMDB, continuarei no PMDB e não vão conseguir me expulsar”, afirma ele categoricamente.

Ao ser questionado dos possíveis motivos que pesariam contra sua permanência — o apoio à reeleição do governador Marconi Perillo (PSDB) e um suposto lançamento de Vanderlan Cardoso (PSB) a prefeito de Goiânia –, Friboi rebate: “não existe nada disso”.

“O que aconteceu foi o seguinte: uma vez que eu esteja no comando do PMDB em Goiás, farei o convite a Vanderlan para que ele se filie ao nosso partido e pleiteie uma possível candidatura ao Paço Municipal”, esclarece. Segundo ele, o atual pessebista é um “nome pronto para ganhar a eleição”, além de um excelente gestor.

No que diz respeito a quadros já dentro do partido, como o deputado estadual Bruno Peixoto e o vice-prefeito Agenor Mariano, Friboi explica que não há problema nenhum em que haja outros nomes. “Faz parte da democracia. Vamos trazer todos os possíveis candidatos e debateremos qual deles consegue o maior apoio”, enfatiza. Como deveria ter sido feito em 2014, sugeriu ele.

Iris e o PT

Entre DEM e PT, PMDB deve optar pelo segundo: Caiado quer cabeça de chapa | Foto: Agência Senado/ Fernando Leite/Jornal Opção

Entre DEM e PT, PMDB deve optar pelo segundo: Caiado quer cabeça de chapa | Foto: Agência Senado/ Fernando Leite/Jornal Opção

Ainda em entrevista ao Jornal Opção Online, Júnior Friboi refutou a ideia de que Iris Rezende — ou mesmo um indicado do ex-prefeito — possa ser candidato em 2016. “Ele só terá chances se tiver controle do partido. O que não vai acontecer”, assegura.

“O PMDB precisa, urgentemente, mudar de rumo. Precisa se reinventar, pois, do jeito que está aí, as chances de ganhar alguma eleição, seja em 2016 ou 2018, são zero”, critica ele. Para o empresário, Iris representa, obviamente, o atraso dentro do partido.

Com dois aliados que não se bicam, o PMDB em Goiânia terá uma difícil tarefa: escolher entre o DEM e o PT. Júnior acredita que ainda é cedo para falar de alianças, mas que, partidariamente falando, seria mais interessante manter a aliança com o PT. “Não temos problemas com nenhum deles, mas, pensando no cenário nacional, há uma predileção natural”, reconhece.

Para ele, o desgaste do prefeito Paulo Garcia (PT) — que chega a ter 70% de rejeição do goianiense em recentes pesquisas eleitorais — não interferirá no próximo pleito, pois o candidato não será Paulo Garcia: “O PT será apenas mais um aliado”.

Já em 2018, Friboi tem um posicionamento mais seguro: “Caiado [senador Ronaldo Caiado (DEM)] quer que o PMDB seja vice em sua chapa ao governo de Goiás e isso não tem a menor possibilidade. O PMDB terá candidato próprio, não há explicação para o contrário”.

4
Deixe um comentário

4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Di Almeida

É até engraçado acompanhar essa total falta de tino político desse Júnior Friboi. Ele é um fenômeno: conseguiu virar a caricatura de um político antes mesmo de tornar-se um.

Antonio Alves

A cada dia, estou mais convencido de que esse tal Junior Friboi não tem nenhum futuro na política, quem tem ideias autoritárias, sendo eleito, acaba esbarrando em uma cassação muito cedo. Só para constar, Ernane de Paula, Demóstenes Torres, Fernando Collor, entre outros. “A política é a arte de negociar o consenso possível.”

Osvando Raimundo

Está muito claro, este individuo quer destruir o PMDB, mas não tem empatia
para ser politico em nenhum partido. Ditadores na politica estão ultrapassados.

Joaquim da Silva

Me causa muita estranheza,quando friboi critica arduamente o grande políttico Íris.Quem fez mais por Goiás senão esse homem que não mede esforço pra trabalhar?Não se pode cuspir no prato que um dia comeu.O Íris,tem história em Goiás.Fez e fará por este estado,o que os aventureiros nunca fizeram e nunca farão.