Fracasso retumbante, Cats é um insulto aos olhos e à inteligência

O que o diretor Tom Hooper parece ter se esquecido (ou nem aprendido) é que o cinema e o teatro, apesar de serem ambas formas de arte que inebriam os sentidos humanos, possuem suas diferenças palpáveis e não podem ser transpostos de um para o outro de maneira tão irresponsável

Cena do filme Cats / Foto: Reprodução

Quando o primeiro trailer do filme Cats, baseado no famosíssimo musical britânico (sucesso absoluto na Broadway, EUA), foi divulgado, a primeira reação do público foi uma só: estranheza. A aparência híbrida de gatos e humanos escolhida para os personagens pelo diretor inglês Tom Hooper, nome à frente dos excelentes A Garota Dinamarquesa e O Discurso do Rei, era, para usar de eufemismo, assustadora e engraçada (no sentido negativo da coisa).

Porém, foi em dezembro deste ano, quando o filme estreou, que a bomba explodiu. Cats foi, é e será, provavelmente por muito tempo, um dos filmes mais criticados e mal-avaliados da nossa época. O motivo: a obra é absurdamente ruim.

Não é possível saber qual era o conceito inicialmente idealizado por Hooper para o filme, mas se há uma coisa que podemos constatar sem absolutamente qualquer sombra de dúvida é que o resultado final não é digno nem de uma Sessão da Tarde da Globo. A impressão que se tem ao assistir Cats é a de que se trata de filme feito às pressas, sem nenhum cuidado com o roteiro, técnicas visuais e cenográficas.

A história é basicamente a mesma da peça de teatro: os gatos de uma tribo de rua chamada Jellicles tentam convencer a matriarca Old Deutoronomy de que são dignos de irem para o “Paraíso” dos gatos. Para atingir tal feito, os bichanos entoam canções onde contam suas histórias. O problema (e bota problema nisso) é que a péssima qualidade do CGI – efeitos de computação gráfica – e a confusa forma de condução da história fazem com que o expectador conte os segundos para o fim do filme.

Estamos falando de erros absurdos e inadmissíveis numa obra da magnitude da adaptação de Cats. Cenas, por exemplo, em que durante o “pulo do gato” de um dos personagens o cabo de aço escondido pelo CGI que o segura e supostamente deveria fazê-lo planar sobre os outros falha de alguma forma, e faz o gato/humano balançar de um jeito ridículo ao saltar no palco. Ou cenas em que um dos gatos vira o rosto bruscamente e as orelhinhas felinas de CGI parecem acompanhar de forma retardatária o movimento feito.

Para se ter uma noção do fiasco, a Universal, estúdio responsável pelo filme, teve que enviar aos cinemas do mundo todo, mesmo após a estreia oficial, uma versão “melhorada” com efeitos pelo menos um pouco mais “retocados”, tamanha era a inferioridade do CGI usado.

Nem falemos então da indecisa escala de tamanho dos bichanos. Há cenas em que são retratados do tamanho normal de gatos, pequenos a ponto de passarem de pé embaixo de uma mesa ou de ficarem minúsculos nos trilhos do trem, já em outras lá estão eles, com estatura humana dançando e fazendo gracinhas pelo palco.

Nem mesmo o elenco de peso do filme, que traz nomes como Ian McKellen (nosso eterno Gandalf/Magneto), Judi Denche (a Lady Catherine de Orgulho e Preconceito) e Idris Alba, além da idolatrada cantora Taylor Swift, é capaz de fazer com que o público sinta empatia pelos personagens. A gata/humana escolhida para introduzir o expectador no universo dos Jellicle cats, Victoria (interpretada pela estreante Francesca Hayward), mesmo com uma atuação digna e com esforços visíveis, fica impossibilitada de imergir na história quem quer que seja, uma vez que a falta de trama e de uma história propriamente dita deixa aquele que assiste perdido e se perguntando “O que diabos está acontecendo?”.

O que o diretor Tom Hooper parece ter se esquecido (ou nem aprendido) é que o cinema e o teatro, apesar de serem ambas formas de arte que inebriam os sentidos humanos, possuem suas diferenças palpáveis e não podem ser transpostos de um para o outro de maneira tão irresponsável.

O filme Cats insulta os sentidos de quem o assiste e a reputação dos grandes atores que o integram. É visível que eles se esforçam para fazer algo com a enorme porcaria que lhes foi entregue, mas nem assim conseguem salvar a obra do fracasso. A única opção para Tom Hooper depois de Cats é seguir o exemplo dos gatos de rua que ele tentou retratar, se enfiar numa lata de lixo e ficar lá um par de horas para refletir sobre o seu “inesquecível” filme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.