Filho de empresário caiu do mesmo toboágua em que menino morreu

Ailton Gabriel Macedo quebrou os ossos do rosto, teve traumatismo craniano, coágulo no cérebro e chegou a ficar sete dias em coma depois de se acidentar no toboágua Vulcão, o mesmo que vitimou Davi

O empresário Paulo Henrique Macedo denuncia que o filho dele, também de 8 anos, foi vítima de negligência no mesmo parque aquático onde morreu Davi Lucas de Miranda no último domingo, 13, em Caldas Novas. O fato aconteceu há seis anos. Na época, segundo Paulo, Ailton Gabriel Macedo quebrou os ossos do rosto, teve traumatismo craniano, coágulo no cérebro e chegou a ficar sete dias em coma depois de se acidentar no toboágua Vulcão, o mesmo que vitimou Davi.

O filho de Paulo se recuperou, mas ele conta que, além do acidente, houve falha na prestação de socorro. Isso porque o funcionário o Di Roma, clube de propriedade da deputada federal Magda Mofatto (PL), em vez que acionar equipe médica ou o Corpo de Bombeiros, pegou a criança nos braços. “Ele poderia ter sofrido uma lesão na coluna”, afirma. Na ocasião, uma médica que visitava o parque prestou o primeiro atendimento. “Houve novamente uma tragédia, mas o clube, que deveria tomar as devidas medidas de segurança, ficou inerte”, acrescenta.

O acidente foi registrado em janeiro de 2016 no toboágua “Vulcão”. Embora o filho tenha se recuperado, Paulo disse que família esperava que o clube tivesse mais comprometimento com a segurança. O caso de Davi, de acordo com ele, atesta que isso não ocorreu. “Houve um tragédia, não com a mesma fatalidade, mas foi uma tragédia que não deveria mais acontecer. Se supõe que o clube iria tomar precauções dali em diante”, diz. O Grupo de Roma preferiu não se pronunciar sobre o acidente envolvendo a família Macedo.

Ailton Gabriel Macedo tinha a mesma idade de Davi na época do acidente | Foto: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.