FGV garante isonomia e transparência em aplicação de Exame da Ordem

Sete mil pessoas realizaram provas em Goiás no último domingo (18)

Foto: Reprodução

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aplicou, no último domingo (18/11), a primeira fase do exame de Ordem. Cerca de 125 mil bacharéis em Direito, em todo o território nacional, se submeteram à prova, que visa credenciar os futuros profissionais ao exercício da advocacia. Em Goiás, cerca de sete mil candidatos realizaram o exame em Goiânia, Anápolis, Itumbiara, Jataí, Rio Verde, Catalão, Ceres e Valparaíso. Só na capital foram 4,5 mil examinandos.

De 2007 a 2010, o processo era conduzido, de forma unificada, pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) da Fundação Universidade de Brasília (FUB – UnB). Só depois ele passou à FGV. Já há sete anos à frente do processo, a instituição garante isonomia e transparência à aplicação da prova.

“No ano de 2007, houve seccionais – especificamente em Goiás – que sofreram com a adulteração e com a venda de provas. Em nosso Estado, nós temos um processo que corre na Justiça Federal no qual, em primeira instância, já foram denunciadas 101 pessoas com a venda de provas do Exame de Ordem naquele ano. Com a unificação e com a contratação de empresas idôneas, como é o caso da FGV, nós mantemos o absoluto sigilo e a segurança na prova da OAB”, ponderou o presidente da Comissão do Exame de Ordem, Rubens Fernando de Campos.

Prisões

Em 2007, a Polícia Federal prendeu onze pessoas, incluindo diretores da seccional, na Operação Passando a Limpo, que investigava fraudes no exame aplicado pela Seccional goiana naquele ano.  Entre os detidos, estavam o então presidente da Comissão de Estágio e Exame de Ordem da OAB-GO, Eládio Augusto Amorim Mesquita e o vice-presidente da mesma Comissão, na época, Pedro Paulo Guerra de Medeiros.

Passados 11 anos dessa realidade, atualmente a FGV e a OAB mantêm o mais rígido controle na aplicação do certame. Para Rubens Fernando, o compromisso da atual gestão da OAB, presidida por Lúcio Flávio de Paiva, que é candidato à reeleição, é com a idoneidade e com a lisura do processo.

“Quando assumi a presidência da Comissão de Exame de Ordem, o presidente Lúcio Flávio foi muito claro comigo. Ele exigia rigor máximo na condução da prova, a fim de se garantir a segurança jurídica dos candidatos e de preservar a imagem da nossa instituição, a OAB-Goiás”, reiterou o advogado.

2 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

iNFORMAÇOES

A FGV DEVE REVER A QUESTÃO DO ”GUILHERME BACHAREL” . POIS DE ACORDO COM ESSA MATÉRIA A FGV NÃO AGIU COM ISONOMIA. Boa notícia para quem realizou o XXVII Exame de Ordem. Os Professores do Curso Forum analisaram o gabarito disponibilizado e sinalizaram duas questões passíveis de recurso. Direito Civil: Questão 41 da Prova Branca A banca examinadora indicou como gabarito e letra D. Nessa assertiva o examinador afirma que os pais respondem de forma objetiva e subsidiária pelos ilícitos praticados pelo menor. De acordo com o artigo 932, I e 933, ambos do Código Civil, os pais tem responsabilidade… Leia mais

Fátima

I S O N O M I A? de onde! FGV Só arrecada e faz sujeira nas provas! Vergonha total FGV CFOAB Toma uma posição! Basta!

Salomão Gonzaga Santana

Não só estas questões, houve no minimo 5 questões que devem ser revistas e anuladas, pois são questões com 2 alternativas corretas, uma questão com todas as alternativas erradas e questões mal formuladas, precisam rever no minimo 5 questões.

Matheus

Instituição maliciosa, faz questões com duas alternativas corretas, o foco dessa banca não é testar o conhecimento jurídico e sim reprovar injustamente quem presta a prova