“Feminismo ignora o sofrimento dos homens”, diz palestrante expulsa da UFG

Thaís Azevedo falou com o Jornal Opção e contou detalhes do episódio que tomou conta das redes sociais nesta terça (6). Entrevista na íntegra poderá ser conferida em breve

Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Expulsa da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG) por próprios alunos, a empresária e digital influencer Thaís Azevedo concedeu entrevista ao Jornal Opção na tarde desta terça-feira (6/6) e contou detalhes do episódio que tomou conta das redes sociais.

Convidada por alunos da própria instituição, ela conta que foi não apenas expulsa do local, como hostilizada e agredida por manifestantes. “Começaram a gritar absurdos a meu respeito. E eu não tinha como ir embora, porque as pessoas vieram para o meio do corredor e impediam minha saída”, conta.

“Então, o segurança da UFG disse para que fosse feito um cordão humano para me tirar de lá. Na hora que estávamos começando a andar, apagaram as luzes e eu, no escuro, fui empurrada não sei para onde. Tinha um homem que estava na minha frente e me impedindo de andar. O que eles iam fazer comigo no escuro?”, continua.

Depois dos momentos de tensão, a jovem conta que foi escoltada até o lado de fora da Faculdade de Direito, no Setor Leste Universitário, e teve que deixar o local com a presença de uma viatura da Polícia Militar.

Thaís, que também é empresária, é famosa por suas opiniões fortemente contrárias ao feminismo. Ela é uma das responsáveis pela página no Facebook “Moça, não sou obrigada a ser feminista”, que conta com mais de 750 mil curtidas.

Para Thaís, o feminismo apresenta um discurso “mentiroso e hipócrita” e não busca a igualdade dos gêneros, mas, sim, a superioridade feminina. Sendo assim, em sua avaliação, as premissas do empoderamento da mulher e a liberdade da mulher são fajutas. Além disso, ela acredita que o movimento “ignora o sofrimento dos homens”.

“O que aconteceu comigo na UFG é uma prova disso: eles podem até não concordar comigo, mas, como mulher, eles têm que me respeitar. É isso que eles pregam, mas não colocam em prática”, argumenta Thaís. “O feminismo ignora o sofrimento dos homens. Ignoram os dados que provam que os homens sofrem mais na sociedade brasileira e até no mundo”, continua, lembrando que, para se tornar cidadão, o homem precisa passar impreterivelmente pelo processo de alistamento militar.

A íntegra da entrevista com Thaís Azevedo já pode ser conferida no site do Jornal Opção. Confira abaixo:

Thaís Azevedo: “O voto feminino foi um privilégio e não um direito”

10 respostas para ““Feminismo ignora o sofrimento dos homens”, diz palestrante expulsa da UFG”

  1. Avatar Hamilton Tavares disse:

    Ela nao deve se deixar intimidar por esses intolerantes covardes, sejam homem ou mulher.

  2. Avatar Caio disse:

    Não existe nada mais contraditório que o feminismo, a garota do Harry Potter que se diz feminista foi atacada por feministas apouco tempo, se deixarem elas numa sala, em cinco.minutos elas se atacam. Pois o comunismo é fascista.

  3. Avatar Adalberto Araújo disse:

    Então ela, “como mulher” exige respeito? Parece-me contraditório usar o gênero justamente para combater a luta pelos direitos do gênero. Que “mulher” confusa!!!

    • Avatar Suely disse:

      Feminazi, ela disse que vcs afirmam isso mas não praticam. Aprenda a interpretar os textos.

    • Avatar Raffael Figueiredo disse:

      Não. Ela exige que eles sejam coerentes que que eles pregam. Pois dizem que as mulheres devem ter voz quando na verdade o que querem é que só as mulheres que defendem o movimento possam se expressar.

    • Avatar Andrea Graziano disse:

      Sua interpretação de texto tá meio fraca. Essa declaração ela faz quando explica como são hipócritas, já que pregam que, como mulher, ela deve ser respeitada e não o foi.

    • Avatar Nars disse:

      Também acho contráditorio, essa moça ainda vai sofrer muito por não apoiar as milhares de mulheres que são violentadas todos os dias, que lidam com a questão de salários inferiores, que tem seus rostos deformados por ácido, que são humilhadas por serem mulheres. Ela é uma melhor e tenho absoluta certeza que não está livre dos preconceitos e violências que lutamos para combater.

      • Avatar um cara qualquer... disse:

        “…que não está livre dos preconceitos e violências que lutamos para combater.”

        vocês lutam para combater preconceitos e violência contra a mulher, mas foram os primeiros a condená-la e expulsarem-na da faculdade…

        vocês estão bem longe de lutar contra o preconceito desse jeito…

  4. Avatar Alex disse:

    Feminismo = lixo e preconceito (q eles tanto “combatem”).

  5. Avatar André disse:

    Diga-me onde essa mulher estudou para que eu não matricule ninguém da minha família. Pelo menos é engraçada com esse discurso lunático de ‘sofrimento dos homens’ kkkkkkk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.