Ex-braço direito de Fernandinho Beira-Mar é liberado de presídio em Goiás após erro

Leomar Oliveira Barbosa possui outras duas execuções penais

Leomar Oliveira Barbosa, solto indevidamente | Foto: Divulgação DGAP

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou nesta quinta-feira (12) que o presidiário Leomar Oliveira Barbosa, apontado como ex-braço direito do traficante Fernandinho Beira-Mar e conhecido como “Playboy”, foi liberado do Presídio Estadual de Formosa, no Entorno do Distrito Federal, de forma irregular.

Em nota, o órgão afirmou que o preso foi liberado indevidamente em função de haver contra ele outras duas execuções penais em trâmite na 1ª Vara de Execução Penal do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, o que não foi observado pelos servidores do cartório da unidade.

“Tão logo tomou conhecimento do ocorrido, a DGAP determinou o imediato afastamento do responsável pelo cartório e dos servidores encarregados de fazer as consultas de praxe”, diz a diretoria na nota. Confira abaixo na íntegra:

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informa que o preso Leomar Oliveira Barbosa, que cumpria pena no Presídio Estadual de Formosa, foi liberado na última quarta-feira (4/7) em cumprimento ao Alvará de Soltura da Vara da Justiça Federal em Goiás, conforme processo nº 37983-58.2011.4.01.3500.

Entretanto, o preso foi liberado indevidamente em função de haver contra ele outras duas execuções penais em trâmite na 1ª Vara de Execução Penal do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, e não observado pelos servidores do cartório da unidade.

Tão logo tomou conhecimento do ocorrido, a DGAP determinou o imediato afastamento do responsável pelo cartório e dos servidores encarregados de fazer as consultas de praxe.

Foi determinada também a abertura de sindicância para apuração dos fatos e dos responsáveis pelo erro.

Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP)

2
Deixe um comentário

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
claudio curado

Quanto pode ter custado esse “erro”?

claudio curado

QUANTO PODE TER SIDO O PREÇO DESSE “ERRO”?