Estudante goiano denuncia racismo após foto publicada sem sua autorização

Imagem publicada com a legenda “Rodolffo, corre aqui”, fez referência a polêmica ocorrida no reality Big Brother Brasil; Marcos entrará com processo cível contra a autora da postagem  

Na primeira foto, o story publicado pela mulher, com a foto do rapaz e a legenda que menciona o músico Rodolffo. Na segunda, o estudante Marcos Paulo. | Fotos: Twitter e Instagram de Marcos Paulo/reprodução

Foi no trabalho, logo após seu intervalo de almoço, quando o estudante de Publicidade e Propaganda, Marcos Paulo Goes Lima, foi alertado e questionado por seus colegas sobre sua aparição nos stories da conta do Instagram de uma mulher. Na foto divulgada, em que a pessoa escreveu a legenda “Rodolffo, corre aqui”, o jovem estava de costas, na entrada de um supermercado. A publicação foi realizada na tarde as última sexta-feira, 9.

Marcos, de 26 anos, tem o cabelo black power e ele explica que a legenda da imagem publicada é referente à polêmica que ocorreu no reality show Big Brother Brasil envolvendo o cantor sertanejo Rodolffo. De forma equivocada, o músico comparou o cabelo de outro participante, o professor João Luiz, ao de uma peruca de homem das cavernas.

A primeira reação, ao ver a postagem, foi a de surpresa e indignação. Assim, sua primeira reação foi fazer uma captura de tela da publicação e replicar em sua conta do Twitter, rede social que Marcos utiliza como espécie de diário virtual, onde conta situações do dia a dia e faz pequenos desabafos a amigos e colegas.  

Tweet realizado pelo estudante, após o ocorrido. | Foto: Captura de tela da publicação

“Me senti muito violado, porque mesmo que de costas, era a minha imagem que estava exposta, e eu não tive chances de me defender. A pessoa fez isso para que eu virasse chacota, já que ela tirou uma foto minha e marcou outra que estava envolvida em uma problemática por ter realizado comentários de teor racista dentro do programa”, opina o estudante.

Marcos explica que o que mais deixou seu “coração aflito”, no caso, foi o reavivamento automático de traumas antigos em sua mente, e a preocupação da perpetuação de tais atitudes em pleno século XXI.  “Ver essa publicação me trouxe questões da infância, que apesar de ter sido tranquila, sem preconceitos escrachados, foi recheada de discriminações veladas. As violências que ocorriam ditas como brincadeiras machucavam, com isso as cicatrizes voltaram a abrir”, conta Marcos.

Repercussão do caso

Com o grande número de compartilhamentos do tweet de Marcos, a repercussão chegou na mulher que publicou a foto que criou todo o caso. Segundo ele, seus colegas de trabalho pegaram o print do story e entraram em contato com ela, que respondeu a somente duas pessoas e solicitou a elas que pedissem desculpas a Marcos, por ela. “Ela quis passar o recado por outros, mas nunca entrou em contato comigo pessoalmente”, narra Marcos.

Pouco depois, a autora da foto realizou outra postagem onde demonstrou indignação a ser acusada de racismo:

“Postei uma foto aleatória de um rapaz de costas que estava no mesmo local que eu estava, vieram pessoas alegando que cometi racismo ou coisa do gênero. Vocês fizeram uma má interpretação, vocês estão totalmente equivocados. Não foi racista, nunca fui e em momento algum quis ofender alguém. Foto Apagada. É mole, gente? Falar que cometi racismo. Pelo amor de Deus”, disse a mulher.

Para Marcos, a situação é perturbadora. “Fiquei muito preocupado em ver que ainda tem pessoas que além de ter esse tipo de atitude, reafirmam esse problema é um somente uma brincadeira, que não foi por mal. Isso eu escuto desde pequeno, quando as pessoas brincam com a minha cor, com meu jeito, sempre se utilizam desse artificio para se esquivar. O pior de tudo é que ela tinha 15 mil seguidores, então deveria ter a consciência de que utilizar a imagem de uma pessoa, de forma indevida, é crime. Foi trágico ela brincar com a minha imagem e achar que não aconteceria nada com ela”, explica.

Cesta enviada pelo supermercado a Marcos Paulo, como forma de retratação ao rapaz. | Foto: Arquivo pessoal

O estudante, que no momento se encontra em diálogo com sua advogada, diz estarem colhendo informações para a abertura de um processo cível. Ainda destaca que até a próxima sexta-feira, 16, deve realizar o registro de um boletim de ocorrência.

Para seu alívio, Marcos foi muito acolhido nas redes sociais e, inclusive, foi seguido pelo perfil do participante do BBB 21, João Luiz, que foi vítima do caso que envolveu o músico Rodolffo. Além disso, o supermercado onde a foto foi tirada entrou em contato com o estudante, com o objetivo de lamentar pelo ocorrido e oferecer apoio.

“Foi uma abordagem muito respeitosa. Eles mostraram preocupação comigo e foram super solícitos comigo. Além disso, me mandaram uma cesta linda e me pediram desculpas pelo ocorrido, mesmo não tendo nenhum tipo de participação com o ato”, conclui Marcos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.