Em julgamento por homicídio, serial killer é condenado a pena máxima pela primeira vez

Tiago Henrique já foi condenado a 16 homicídios, um roubo a agência lotérica e porte ilegal de arma, penas que somadas atingem 403 anos e 10 meses de prisão

Foto: Hernany César / TJGO

Foto: Hernany César / TJGO

O serial killer Tiago Henrique enfrentou, nesta segunda-feira (26/9), mais um julgamento, dessa vez, pelo homicídio de Rafael Carvalho, de 22 anos. Pela primeira vez, o ex-vigilante foi condenado à pena máxima prevista pela lei brasileira: 30 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado.

Preso no Núcleo de Custódia do Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia, ele segue com um extenso rol de condenações: 16 homicídios, um roubo a agência lotérica e porte ilegal de arma, penas que somadas atingem 403 anos e 10 meses de prisão.

O jovem Rafael Carvalho foi morto na madrugada do dia 16 de fevereiro de 2013, por volta da 1 hora, próximo ao Terminal da Praça A, no Setor Campinas. Segundo a denúncia formulada pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), a vítima estava caminhando com um amigo pela Rua Senador Jaime em direção à Avenida Bernardo Sayão, onde tomariam um táxi até sua residência.

Antes, entretanto, os dois foram abordados pelo vigilante que estava em uma motocicleta. Ao simular um roubo, ele mandou que ambos entregassem seus pertences, ordem que foi atendida prontamente pelos amigos. Na sequência, devolveu os objetos aos dois e atirou no peito de Rafael à queima-roupa, que morreu em seguida. (Com informações do TJGO)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.