Em Goiânia, polícia investiga grupo que incitava boicote à população LGBT

Delegada conta que mensagens foram enviadas por perfis fakes

Foto: Reprodução

Através do Whatsapp, uma pessoa incitava um boicote à população LGBT no mercado de trabalho. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos que recebeu prints das mensagens.

Segundo a delegada Sabrina Leles, os perfis que promovem esse tipo de mensagem são falsos e pessoas estão tendo suas imagens prejudicadas por isso. Ela ainda esclarece que a investigação está em curso e, por ora, são essas informações que pode passar.

Na mensagem, o autor, que alega ser dono de uma empresa de contabilidade de Goiânia, pede que as pessoas não deem emprego a gays, lésbicas e transsexuais ou demita quem já estiver empregado.

Ele ainda pede que comerciantes não vendam seus produtos a essa população e, ainda, aumentem o valor das mercadorias para eles. “Vamos juntos fazer essa classe sumir do Brasil”, escreve.

O criminoso teria coletado números de telefone de gays e lésbicas e, depois, inserido-as em grupos para expô-las e promover o boicote sugerido.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sandra

SUGIRO AOS DESCRIMINADOS POR ESSA GENTALHA QUE TIREM SEUS PORTES DE ARMA E COMPREM A MAIS POTENTE POSSIVEL PARA SUA ALTO DEFESA E É SÓ APERTAR O GATILHO QUANDO A PRIMEIRA FRASE QUE SAIR DA BOCA DELES RELACIONADO A HOMOFOBIA FOR DITA 👉🌈🇧🇷 ESTOU ESPERANDO VIR UM 👉

Ramon Nass

É muito provável que alguém que queria ferrar com a empresa referida na mensagem a tenha feito. Sou gay e claro que isso me preocupa, mas a maneira como isso foi feito parece mostrar ser uma armação.

Antonio

Provavelmente deve ser um cristão evangélico, são os que mais propagam esse tipo de coisa banal, violenta e de instinto assassino.
Uma vergonha, um absurdo!!

Diego Banzatto

Provavelmente esse perfil Sandra também deve ser fake.
Violência se combate com informação e empatia.