Desemprego em Goiânia tem o maior aumento do país

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado teve um crescimento de quase 27% na taxa de desocupados em relação ao mesmo período do ano passado

Foto: Reprodução

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira, 19, o resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). De acordo com o estudo, a taxa de desocupação em Goiás foi calculada em 10,8% no 3º trimestre de 2019, um aumento de 0,3 ponto percentual em relação ao 2º trimestre de 2019. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a taxa teve aumento de 1,9 ponto percentual, sendo a maior variação do país.

O terceiro trimestre de 2019 se completou com 414 mil desocupados em Goiás, representando um crescimento de 26,9%, ou seja, cerca de 88 mil pessoas sem emprego. Já o percentual de pessoas ocupadas na idade de trabalhar, ou seja, com 14 anos ou mais, foi de 59,5%.

Goiânia apresentou a segunda menor taxa de desemprego entre as regiões metropolitanas do país, ficando acima somente da região metropolitana de Florianópolis. O rendimento médio do goianiense foi estimado em R$2.400, o que representou um aumento de 1,6% ao comparar com o trimestre anterior.

Dentre as áreas profissionais estudadas, as únicas que apresentaram aumento no número de empregados foram a Construção e o Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas. Estimou-se que o último grupamento teve um crescimento de 725 mil trabalhadores.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.