Deputados do PDT pedem que STF suspenda denúncia contra Temer

Afonso Motta (PDT-RS) e André Figueiredo (PDT-CE) recorreram para obrigar Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a realizar oitiva do procurador-geral da República

Os deputados Afonso Motta (PDT-RS) e André Figueiredo (PDT-CE) recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (7/7) para pedir a suspensão da tramitação da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara dos Deputados. Eles pediram uma liminar para obrigar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a analisar requerimentos de autoria deles que pedem oitiva do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Isto porque na última quinta-feira (6/7), o presidente do colegiado, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), indeferiu todos os 22 requerimentos para realização de oitivas de pessoas relacionadas às investigações. Além de Janot, deputados querem ouvir o dono e executivo do grupo J&F, Joesley Batista e Ricardo Saud, além dos ex-assessores de Temer José Yunes e Rodrigo Rocha Loures (PMDB).

Como o Supremo está em recesso, quem decidirá sobre a questão será a presidente do STF, Cármen Lúcia.

Denúncia

Michel Temer é acusado por Janot de ter usado seu cargo de presidente da República para receber, de Joesley Batista, propina de R$ 500 mil. Para o procurador-geral, o real destinatário da mala de dinheiro com a qual Rocha Loures foi flagrado era, na verdade, Temer.

No inquérito, Temer é acusado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de ter aproveitado da condição de chefe do Poder Executivo e recebido, por intermédio do seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, “vantagem indevida” de R$ 500 mil. O valor teria sido ofertado pelo empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, investigado pela Operação Lava Jato

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.