Deputado volta a denunciar descaso da Prefeitura de Goiânia com Cemitério Santana

Francisco Jr. faz apelo sobre situação preocupante do local, que é tombado como patrimônio histórico e abandonado pela gestão Iris 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: divulgação

O deputado estadual Francisco Jr. (PSD) fez mais uma vez um apelo à gestão do prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), na última terça-feira (15/8), para que resolva o problema do Cemitério Santana.

Para o parlamentar, a situação preocupante e assustadora do primeiro espaço público para sepultamento da capital não pode mais ser ignorada pela prefeitura. O local vem sendo depredado por assaltantes e usuários de drogas que se abrigam nos arredores do cemitério.

“O Cemitério Santana foi tombado como patrimônio histórico, ou seja, ali estão as histórias de nossos antepassados, da nossa cidade. É um absurdo que o lugar seja alvo de ondas de assalto, violência e se transforme em uma boca de fumo”, lamentou.

Francisco Jr. relatou um recente acontecimento envolvendo uma briga entre usuários de drogas no local, em que um rapaz quase foi morto dentro de uma das capelas do cemitério, o local ainda permanece sujo com as manchas de sangue da vítima,

“Isso é um tremendo desrespeito com as famílias que sepultaram seus entes queridos ali. Um povo que não cuida de sua memória, de suas famílias, como nós vamos fazer? Por isso, em nome dos nosso patrimônio e da nossa história, venho fazer um apelo ao prefeito e autoridades para tomem providências reais e urgentes para que as memórias dos nossos antepassados sejam respeitadas”, sentenciou.

O Cemitério Santana foi o primeiro espaço público para sepultamento na capital, inaugurado em 1940, e o único tombado pelo patrimônio histórico. O local abriga o túmulo de personalidades que fizeram parte da história de Goiás, como o de Pedro Ludovico Teixeira e Venerando de Freitas Borges, o primeiro prefeito de Goiânia.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.