Deputado insiste em quebra de contrato com Santander: “Não sabíamos que patrocinava pornografia”

Santana Gomes é um dos deputados estaduais que querem que a Assembleia encerre a conta com o banco, após a controversa exposição Queermuseu

Deputado estadual Santana Gomes | Foto: Y. Maeda

Um dos parlamentares a subir na tribuna da Assembleia Legislativa na última semana para pedir a quebra de contrato da Casa de leis com o banco Santander, o deputado estadual Santana Gomes (PSL) voltou a defender o rompimento em entrevista recente ao Jornal Opção.

O pedido dele e dos deputados Marlúcio Pereira (PSB) e Francisco Junior (PSD) veio após repúdio à exposição sobre diversidade sexual promovida pelo banco em Porto Alegre. Além de se posicionar contra a Queermuseu, eles pediram que a Assembleia Legislativa encerrasse sua conta no banco, onde é feito o pagamento dos servidores da Casa.

A solicitação já foi desconsiderada pelo presidente José Vitti (PSDB), que afirmou não existir brecha jurídica para que a Assembleia encerre a conta. Mesmo assim, Santana afirma que irá buscar, na Justiça, meios para que isto ocorra.

“Várias pessoas também retiraram suas contas. Tenho certeza, que, no Judiciário, será possível  encontrar brechas de quebra contratual, sem que isso prejudique o Parlamento”, defendeu.

Durante a entrevista, o deputado voltou a criticar o banco, dizendo que, até então, seria impensável que a empresa promovesse “este total desrespeito para com a família”. “Quando fechamos este contrato, não sabíamos que o Santander patrocinava este tipo de pornografia, de agressão à sociedade e ao cristão”, completou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.