Delegado Waldir sobre como deve ser chamado: “Não é deputado, não. É prefeito”

Tucano participou da primeira sabatina da Juventude do PSDB, quando garantiu que será candidato em 2016. Com ou sem o partido

Delegado Waldir é sabatinado por lideranças e jovens do PSDB | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Delegado Waldir é sabatinado por lideranças e jovens do PSDB | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Na noite da última segunda-feira (25/8), o deputado federal Delegado Waldir foi o primeiro sabatinado pela Juventude do PSDB, na série de encontros que pretende discutir Goiânia com os pré-candidatos à disputa de 2016.

Durante mais de uma hora, o deputado fez críticas à atual gestão municipal, apresentou seu projeto político e enfatizou, por diversas vezes, que vai ser candidato. Pelo PSDB, ou não. “Não é deputado, não. Me chamem de prefeito. É assim que as pessoas estão me chamando na rua”, relatou ele durante sua apresentação inicial.

Em uma espécie de “desabafo”, Delegado Waldir mandou recado ao partido, a adversários (inclusive aos que ele chamou de adversários internos) e até mesmo ao governador Marconi Perillo. Para ele, o tucano-chefe e a cúpula precisam definir “regras claras” de como o candidato do PSDB será escolhido.

Mesmo sem dar prazo — inclusive, criticou diretamente o presidente do diretório Metropolitano, Rafael Lousa, por ter dito que ele havia estipulado uma data para tal definição –, insistiu que deve haver planejamento. E, após tal decisão, ele decidirá seu futuro: “Só sairei do partido se eu for tirado em uma disputa sacana. Quero uma disputa justa, clara, honesta”.

A uma plateia formada por representantes da juventude, moradores da capital (em especial da região Noroeste), e lideranças tucanas, Waldir sugeriu que estão menosprezando seu preparo e garantiu que chegará à disputa de 2016 “muito melhor do que esperam”: “Conheço Goiânia como a palma da minha mão”.

“Alguns dizem que Delegado Waldir só entende de segurança pública. Não… Entendo de engraxar sapato também, fui sapateiro. Entendo de vender, fui vendedor de roupa. Entendo de construção civil, fui servente de pedreiro. Entendo de serralheria, fui serralheiro. Entendo de tributos, fui auditor fiscal. E fui professor. Entendo de muita coisa”, rebateu.

Sempre firme em sua fala, o deputado exaltou o fato de ter recebido 178 mil votos na capital “sem um cabo eleitoral sequer”. Falou em pesquisas internas que têm recebido, nas quais aparece entre os três preferidos pelo goianiense — que, em uma momento de desatenção, chamou de goianos.

Sem rodeios 
Delegado Waldir afirma que tem o que é preciso para governar Goiânia | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Delegado Waldir afirma que tem o que é preciso para governar Goiânia | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Na tentativa de viabilizar seu projeto político, Delegado Waldir afirmou que tem conversado com todos os partidos e que tem sido cortejado por todos eles: “Menos o PT e alguns de esquerda, é claro”. No entanto, não será fácil deixar a legenda da social-democracia.

Isso porque a chamada “janela política” — período de 30 dias que parlamentares terão para trocar de partido — não é consenso no Congresso. Embora a Câmara tenha aprovado o projeto, a dificuldade de passar no Senado é muito maior. Caso tente a desfiliação, Waldir pode até perder o mandato de deputado federal.

Mas não será por falta de assessoria jurídica. O deputado fez questão de repetir que tem uma equipe de advogados e, inclusive, já entrou com “algumas dúzias de ações” contra pessoas que “querem denegrir” sua imagem.

Questionado pelo Jornal Opção se seus posicionamentos extremistas e comportamento tido como “agressivo” não o atrapalhariam a chegar à sociedade e, principalmente, ao governo federal, da presidente Dilma Rousseff, do PT, o delegado deu de ombros.

“Com o que o município arrecada, se cortarmos a verba da corrupção e os cabides de emprego, com certeza dá o dinheiro. Delegado Waldir vem da periferia, minha vida toda foi trabalhar com dificuldade […] Eu gosto de desafio. Quanto pior esse prefeito deixar a prefeitura, melhor eu vou entregá-la. Quando mais rabo grande ele deixar, mais como delegado eu vou ter conhecimento para colocá-lo para a sociedade”, afirmou.

Ainda de acordo com ele, após eleito, só assumirá a administração após ter feito uma “auditoria” em toda a estrutura, pois existe “um ralo de malandragens nos órgãos da prefeitura”.

Defendendo seu preparo, Waldir ressaltou que trabalhou com o ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner, arquiteto e urbanista que ficou famoso por realizar uma revolução urbana na cidade: “Tenho um pouco de experiência”.

“Vou fazer igual ao prefeito de Palmas, vou construir minha casa na região mais pobre da cidade! Chega de prefeitos morando em Bueno, Marista e em Jardins… Vamos estar perto do povo”, finalizou.

Goiânia. Depois Aparecida

Deputado federal mais bem votado de Goiás e o segundo mais bem votado de Aparecida de Goiânia, com 38 mil votos, o delegado afirma que “ama” a cidade, mas assegura que não vai ser candidato a prefeito lá.

“Não faria o que o atual prefeito fez, que é uma sacanagem. Alugou uma residência onde ele nem mora mais e foi ser o candidato plantado, eu não faria isso. Aparecida merece um candidato que conheça a cidade”, explicou.

Waldir chegou a brincar que pode, sim, se candidatar em Aparecida de Goiânia, mas sustenta que vai ser prefeito de Goiânia primeiro.

3 respostas para “Delegado Waldir sobre como deve ser chamado: “Não é deputado, não. É prefeito””

  1. Avatar CARLOS SOARES disse:

    FALOU TUDO MEU DEPUTADO FEDERAL

  2. Avatar Fabricio Magalhaes disse:

    Fico impressionado com a humuldade desse deputado! Ops, prefeito rsrsrsrsrs

  3. Avatar Aziz Americo disse:

    rapaz o cara disse que iria abalar as instalações da Camara Federal, será que as pessoa não observam que é incompetente, que ele não sabe o que quer, cade os projetos, cade as promessas de campanha. Como pode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.