Defesa de Cerveró indica Dilma como testemunha e depois pede substituição de nome da presidente

Em documento protocolado nesta segunda-feira (26), advogado de Cerveró pediu a intimação da presidente, porém acabou mudando de ideia e afirmou que a compra de sondas de perfuração não passou pelo conselho que ela chefiava na época

Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil

Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil

A defesa do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, preso durante a Operação Lava Jato, voltou atrás e pediu à Justiça Federal que a presidente Dilma Rousseff (PT) seja excluída do rol de testemunhas. Em documento protocolado no início da tarde desta segunda-feira (26/1), o advogado Edson Ribeiro pediu que a presidente fosse intimada.

Na nova petição, Ribeiro afirmou que a oitiva de Dilma não é necessária, porque a compra de sondas de perfuração não passou pelo Conselho de Administração, chefiado pela presidente no momento da compra.

A defesa de Cerveró arrolou oito testemunhas de defesa na ação penal em que o ex-diretor é acusado de receber propina para facilitar a compra de sondas de perfuração, entre elas a presidente Dilma e o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli.

Na ação penal, além de Cerveró, foram denunciados o doleiro Alberto Youssef; o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano; e Júlio Camargo, um dos delatores do esquema de corrupção. Na denúncia, o Ministério Público (MP) sustenta que Cerveró, Soares e Júlio Camargo acertaram o pagamento de propina em contratos com a Petrobras.

De acordo com o MP, houve pagamento de US$ 15 milhões, em 2008, para que a Petrobras contratasse um navio-sonda a ser usado na perfuração de petróleo em águas profundas na África. O valor do contrato era de US$ 586 milhões.

Segundo a denúncia, após a confirmação de que a propina seria paga, Cerveró atuou para fechar o negócio com o estaleiro Samsung Heavy. Após o acerto, Fernando Soares recebeu os valores indevidos e repassou parte para Cerveró.

Deixe um comentário