Investigado por pelo menos quatro crimes, o influenciador anapolino Igor Viana, de 24 anos, criou um espaço em uma plataforma paga para assinantes que desejam assistir conteúdos da filha, de 2 anos, que possui paralisia cerebral. O conteúdo “exclusivo” para pagantes começou a ser oferecido depois que a Polícia Civil (PC) instaurou um inquérito para investigar Igor e a mãe da criança, de 22 anos, por desviar doações feitas por seguidores para os cuidados da filha.

LEIA TAMBÉM

Influenciadora digital expõe “Doutor Bumbum” goiano nas redes sociais; vídeo

Influencer faz tratamento de pele com esperma de salmão, saiba quem é

Segundo a delegada Aline Lopes, responsável pelo caso, Igor, que se identifica nas redes sociais como “Pai da Soso” e “servo do Deus vivo”, cobra entre R$ 35 e R$ 50 mensais por assinante. O valor varia de acordo com o perfil de cada seguidor – pessoas que já faziam parte da comunidade antes da investigação da PC, iniciada no último dia 19, têm direito a descontos no vencimento da fatura. 

“Ele postou [nas redes sociais] que agora iria compartilhar fotos e a rotina da filha para quem pagasse porque foi impedido pelo Conselho Tutelar, o que não é verdade. Antes ele postava esse conteúdo no Instagram e no TikTok. Uma das trends que ele fez, ele fala para a filha fazer compras, mas ela tem paralisia cerebral. Na última frase que ele fala diz: ‘criança inútil do caralh*’”, explica a delegada. 

Aline afirma que as investigações apontaram que tanto o influenciador, que acumula mais de 18 mil seguidores nas plataformas digitais, quanto a ex-mulher, teriam se beneficiado com o valor oriundo das doações à filha deficiente, visto que ambos não possuem ocupações, a não ser a de influencer. A mulher, inclusive, teria realizado procedimentos no nariz e uma lipoaspiração, supostamente, com verbas da filha. 

Igor, por outro lado, chamou os doadores de “trouxas” e chegou a confirmar os desvios por meio de áudios e mensagens de texto cedidas à reportagem pela delegada. No arquivo sonoro, ele diz que “também tem necessidades” e que a criança é “chata” e “dá muito trabalho”. Em um print de uma comunidade, ele fala que iria “usar toda a grana para comer prostitutas no nortão”.

“Minha filha tem paralisia cerebral, mas ela é super chata. Não imaginava que uma criança que tem 10% do cérebro funcionando fosse tão chata e pudesse me dar tanto problema. A vontade às vezes é de deixar na porta de um orfanato e deixar alguém se virar. Já arrumei tanto problema por causa dessa menina, já gastei tanto dinheiro e ainda há gente enchendo meu saco na internet”, diz Igor em um dos áudios. 

Igor durante troca de mensagens em grupo | Foto: Divulgação/PC

Crimes 

Igor usa a imagem da filha para arrecadar dinheiro desde o nascimento da menina, conforme Aline. Mesmo depois da separação, de acordo com a delegada, os pais continuaram trabalhando juntos e promovendo falsas brigas para engajar os vídeos da garota. 

Não há processo judicial pela guarda da criança. Em um acordo firmado entre os responsáveis pela menina, foi decidido que a criança moraria com o pai. Igor e a ex-companheira serão intimados a depor para prestar esclarecimentos sobre as denúncias feitas contra eles. Os dois são suspeitos de constrangimento de menor, estelionato, discriminação à pessoa com deficiência e apropriação de bens proventos de pessoa com deficiência. 

“A mãe e o pai serão os últimos a serem ouvidos. Em tese, se as denúncias forem comprovadas, eles podem perder a guarda da criança”, concluiu Aline.

Ao Jornal Opção, o influencer informou que “cuida ininterruptamente da filha há dois anos” e que tem “plena consciência de que a filha recebe um tratamento que 90% das crianças que tem paralisia cerebral não recebem”. Igor disse ainda que é “praticamente impossível pagar um tratamento pra uma criança desse nível de complicação”. Como a mãe da criança não teve o nome divulgado, a reportagem não conseguiu localizar a defesa dela.