Condenado por tráfico de drogas, brasileiro Marco Archer é fuzilado na Indonésia

Mesmo com o último pedido de clemência enviado pela presidente Dilma Rousseff (PT), governo indonésio executou Archer na tarde deste sábado (17/1)

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O brasileiro Marco Archer, condenado à morte por tráfico de drogas na Indonésia, foi executado na tarde deste sábado (17/1). A execução ocorreu por volta de 15h30, horário de Brasília (0h30 no horário local), no complexo prisional em que ele se encontrava — a 400 km da capital, Jacarta.

Mesmo com o apelo feito diretamente pela presidente Dilma Rousseff ao mandatário indonésio, Joko Widodo, na última sexta-feira (16), Archer foi fuzilado após ficar quase 12 anos preso. A confirmação foi dada por Tony Spontana, portavoz da Procuradoria­Geral do país asiático.

Ele é o primeiro brasileiro submetido à pena de morte por um Estado estrangeiro e o primeiro preso executado no governo de Widodo, que assumiu o país em outubro passado, após vencer as eleições.

De acordo com a execução padrão do país, os presos são encapuzados e têm pés e mãos atadas a um tronco. 12 policiais de um destacamento especial se postam diante dos condenados e dispararam simultaneamente. Nem todas as armas são carregadas — de forma que os atiradores não sabem quem deu o tiro fatal. Após os tiros, um médico examina se a pessoa morreu, de fato. Caso contrário, um último tiro é dado na cabeça. Se o preso for de outro país — como o brasileiro — pode haver o traslado do corpo (que deve ser custeado pela família de Archer).

Último suspiro

Nesta manhã, a família visitou o carioca pela última vez. Inconformada com a pena, a tia de Marco, Maria de Lourdes Archer Pinto, lamentou ao jornal Folha de S. Paulo que a vida do sobrinho tenha que acabar desta forma: “Tenho um lado pragmático que mostra que a Indonésia tem uma Constituição. Mas no meu raciocínio o presidente poderia ter expulsado o Marco. O presidente não é Deus para tirar a vida de alguém. O Marco pode ter errado, cumpriu 11 anos preso e não merece pagar com a vida”.

Archer trabalhava como instrutor de voo livre e foi preso em agosto de 2003, quando tentou entrar na Indonésia, pelo aeroporto de Jacarta, com 13,4 quilos de cocaína escondidos em uma asa-delta desmontada em sete bagagens. Ele conseguiu fugir do aeroporto, mas foi localizado, após duas semanas, na ilha de Sumbawa. Archer confessou o crime e disse que recebeu US$ 10 mil para transportar a cocaína de Lima, no Peru, até Jacarta. No ano seguinte, foi condenado à morte.

Ontem, o presidente indonésio, Joko Widodo, negou pedido de clemência feito pela presidenta Dilma Rousseff. O presidente Lula já havia enviado duas cartas pedindo clemência durante seu governo, enquanto Dilma enviou quatro. (Com informações da Agência Brasil)

3 respostas para “Condenado por tráfico de drogas, brasileiro Marco Archer é fuzilado na Indonésia”

  1. josiane disse:

    eu acho muito errado porque quando eles vem com droga pro nosso pais nos não faz nada com eles ai vai duas pessoa nossa pra la quer matar e tal eles não precisava disso não eu protesto

  2. Moacir Romeiro disse:

    Ele sabia das consequências de sua ação, por isso mereceu a pena. Que bom seria se no Brasil houvesse a seriedade que há na Indonésia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.