Candidatos da “chapinha” indeferida manifestam apoio à reeleição de Marconi Perillo

Em 20 de agosto, eles chegaram a manifestar apoio ao candidato peemedebista Iris Rezende, afirmando que o ex-prefeito havia sido solícito e os acolheu da melhor maneira. No entanto, eles voltaram atrás e garantem que pedirão votos a Marconi

O governador Marconi Perillo (PSDB) recebe logo mais o apoio dos 44 candidatos a deputados federais que integram a chamada “chapinha”, formada por PHS, PSL, PEN, PMN, PV e PTC, que foi indeferida em 24 de julho devido a problemas sobre a reserva mínima de candidaturas por sexo. Em 20 de agosto, eles chegaram a manifestar apoio ao candidato peemedebista Iris Rezende, afirmando que o ex-prefeito havia sido solícito e os acolheu da melhor maneira. No entanto, eles voltaram atrás e garantem que pedirão votos a Marconi.

Segundo o presidente do PHS, Eduardo Machado, o imbróglio envolvendo nunca foi partidário, já que as legendas sempre apoiaram o governador. Ele afirma que foram os candidatos quem, por um momento, decidiram pelo apoio a Iris, mas “após refletirem melhor”, perceberam que o tucano era o melhor candidato para o governo.

Eduardo reitera que Marconi nunca teve “culpa nenhuma” sobre o problema que levou ao indeferimento das candidaturas. O novo posicionamento dos propensos candidatos, porém, reflete a orientação da direção dos cinco partidos envolvidos.

Entenda

O TRE-GO indeferiu a chapinha para deputado federal formada por PHS, PSL, PEN, PTC, PMN e PV deixando quase cinco dezenas de potenciais candidatos a ver navios. Originalmente, 51 pessoas compunham a chapa em questão. O problema é que sua composição não respeitava a reserva mínima de candidaturas por sexo, que é de 30%. Com 36 homens e 15 mulheres, o grupo tinha “apenas” 29,41% de candidatas femininas.

Com esta pendência no Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap), os desembargadores Walter Carlos Lemes (presidente do TRE) e Airton Fernandes de Campos (relator do caso), e o procurador regional eleitoral Marcello Santiago Wolff assinaram a sentença de impugnação no dia 24 de julho.

A chapa tinha até o dia 27 para entrar com o recurso. A simples desistência de um dos candidatos adequaria a chapa à lei, pois faria com que tivesse 35 homens e 15 mulheres, que representariam exatamente 30% dos candidatos. Acontece que o curto prazo do recurso foi perdido, o que fez a sentença ficar transitada em julgado, isto é, ser definitiva.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.