Câmara rejeita afastamento de Anselmo da presidência da Comissão de Ética

Maioria esmagadora dos vereadores entendeu que, mesmo denunciado pelo Ministério Público, parlamentar pode seguir comandando do colegiado

Requerimento foi rejeitado por 23 votos a 1 | Foto: Alexandre Parrode/ Jornal Opção

A Câmara rejeitou, nesta quinta-feira (22/6), o requerimento do vereador Alysson Lima (PRB) para afastar Anselmo Pereira (PSDB) da presidência do Conselho de Ética da Câmara Municipal de Goiânia. Ele apresentou o pedido no início de junho, depois que Anselmo foi denunciado pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) envolvendo o programa “Câmara e Governos Juntos de Você”.

Quando apresentou o requerimento, Alysson disse que as denúncias do MP-GO, que acusam o tucano de utilizar o projeto da Câmara Itinerante, quando era presidente da Casa, para autopromoção e fins eleitoreiros são “gravíssimas” e, por isso, ele precisava ser afastado até que o caso se esclarecesse.

Na sessão desta quinta, Alysson afirmou que sua intenção não era condenar Anselmo, mas sim de criar um “mecanismo de preservação dessa Casa”. “O Brasil está passando por uma crise política, podemos mandar um recado de que essa composição é realmente diferente”, defendeu ele. “Minha consciência me encaminhou até esse ponto.”

Para a maioria dos vereadores, no entanto, afastar Anselmo seria condená-lo antes da hora e o requerimento foi rejeitado por 23 votos a 1. Assim, o tucano segue no comando da Comissão de Ética.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.