Câmara recebe pedido de impeachment de Temer

Após declarações bombásticas de que presidente teria sido gravado dando aval para compra do silêncio de Eduardo Cunha, deputado protocolou pedido de impedimento

Molon protocola o pedido de impeachment | Foto: reprodução

O deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ) protocolou, na noite desta quarta-feira (17/5), um pedido de impeachment do presidente da República, Michel Temer (PMDB).

A justificativa é que o peemedebista teria atentado contra a Constituição ao cometer crime de responsabilidade. Segundo a denúncia, houve ação “incompatível com a dignidade, honra e decoro do cargo” no caso envolvendo uma suposta gravação que comprova que Temer incentivou a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB).

Segundo informação publicada pelo colunista de “O Globo” Lauro Jardim, o empresário e presidente da J&F (holding que controla a JBS), Joesley Batista, entregou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o conteúdo de uma gravação na qual o presidente Michel Temer (PMDB) dá o aval para a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O encontro teria acontecido no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, em que Joesley Batista aparece contando a Temer que estava dando a Cunha e ao operador Lúcio Funaro — ambos presos no âmbito da Operação Lava Jato — uma mesada de R$ 500 mil para que não assinassem qualquer tipo de colaboração ou delação. Diante da informação, o presidente teria respondido: “Tem que manter isso, viu?”.

Sendo assim, Molon pede que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), receba a denúncia e instale uma comissão especial. Entre as testemunhas estão o próprio Joesley Mendonça Batista, o senador José Perrella de Oliveira Costa (PTB-MG); o deputado federal Rodrigo Costa da Rocha Loures; o senador Aécio Neves da Cunha (PSDB-MG); e o procurador-geral Rodrigo Janot.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.