Câmara aprova projeto que institui bandeira 2 durante todo o mês de dezembro

Proposta segue agora para sanção do prefeito Paulo Garcia. Valores arrecadados pelos taxistas funcionarão como 13º salário

Taxistas em um ponto da capital | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Taxistas em um ponto da capital | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Com a presença de vários taxistas, a Câmara Municipal de Goiânia aprovou, por unanimidade, o projeto que prevê a instituição da cobrança da bandeira 2, em qualquer horário, durante todo o mês de dezembro.

A matéria, de autoria do vereador Edson Automóveis (PMN), tem como justificativa a criação do “13º salário” da categoria e segue agora para a sanção do prefeito Paulo Garcia (PT).

Atualmente, a bandeirada (valor inicial do taxímetro) é de R$ 4,39, sendo que o quilômetro rodado na bandeira 1 é R$ 2,52 e, na bandeira 2 — de segunda à sexta-feira, das 20 às 6 horas; aos fins de semana, das 13 horas do sábado às 6 horas de segunda; e feriados –, R$ 3,15. A hora parada custa R$ 20.

Foram 23 vereadores presentes, que defenderam a aprovação do projeto. Segundo o peemedebista Mizair Lemes Jr., é importante garantir direitos à categoria, “que presta um relevante serviço para a cidade”.

Fábio Caixeta (PRTB) assegurou que o prefeito não vai vetar a matéria e que, inclusive, deu aval para a propositura: “Este é um prefeito que deu direitos aos taxistas, diferente de outros. Ele não vai vetar”.

Na tribuna livre, o presidente do Sindicato dos Taxistas de Goiânia, Silone Antônio dos Santos, agradeceu à Câmara de Goiânia. “Não estamos inventando nada, esta lei já existe em todas as capitais. Um direito que foi tirado de nós, indevidamente, mas graças aos senhores, o temos de volta”, concluiu.

Veja como ficará em dezembro:

Bandeirada R$ 4,39 
Km rodado: R$ 3,15 (durante todos os dias e horários)

 

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Epaminondas

Liberar mais licenças de táxis? Não.

Liberar Uber? Não.

Privilegiar uma classe que já detém reserva de mercado para que eles arranquem mais grana do público? Ok.

“Obrigado pelos nossos vereadores” — Disse NUNCA NENHUM eleitor.