Caçambeiros não têm onde descarregar seus entulhos em Goiânia

Segundo representante da categoria, administração municipal teria liberado o aterro sanitário na saída de Inhumas, mas com cobrança por viagem de R$ 1.500

Foto: Reprodução

Ulysses Borges, representante da categoria dos caçambeiros de Goiânia – que conduzem caminhões caçamba basculantes –, procurou o Jornal Opção para fazer um apelo à prefeitura de Goiânia. Ele afirma que a categoria, responsável por transportar entulho de terra e orgânico, não tem onde jogá-los na cidade.

Segundo ele, são cerca de 800 trabalhadores, com 500 caminhões. Ele afirma que a administração municipal, recentemente, indicou o aterro sanitário na saída de Inhumas para receber os entulhos. Porém, além de distante, o valor é exorbitante: R$ 1.500 por viagem de veículo.

Ulysses diz que esse valor deve ser pago pelo contribuinte que contratou o serviço e é inviável. Sem citar o município, ele cita que estavam levando o entulho de Goiânia para outra cidade. A taxa cobrada é de R$ 120.

Diferença

Aquelas caçambas de cor alaranjada que ficam perto de obras não são a mesma coisa que os caminhões caçamba. Ulysses reforça a diferença. “Nós não transportamos lixo. Nosso entulho é terra e grama e 70% poderia ser reaproveitado”, afirma.

Poderia, porque não é permitido pela Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), segundo o representante, doar para quem precisa fazer um aterro ou cobrir uma erosão.

“Na prática, somos só transportadores. A nossa categoria faz o frete de entulho de terra e material orgânico”, diz Borges ao citar que a principal demanda da classe é a liberação de alguns pontos dentro da cidade, além de um valor mais acessível.

Apoio

O vereador Dr. Paulo Daher (DEM) tem dado apoio a categoria, conforme o representante dos caçambeiros. O parlamentar, inclusive, chegou a fazer um requerimento ao prefeito Iris Rezende (MDB) para que autorizasse os condutores de caminhão basculante a descartar os resíduos no aterro sanitário Estação de Transbordo 2, no quilômetro 3 da rodovia estadual GO-060.

Este seria sem custo e mais próximo, segundo Ulysses. O Jornal Opção tentou contato, também, com o vereador, mas não obteve retorno.

Em nota, a Amma respondeu:

Só há atualmente um local disponível para descarte de entulho em Goiânia, que é o aterro sanitário, que cobra pelo serviço. É para lá que o pessoal que atua na atividade tem de se dirigir. A Amma reconhece a importância desses caçambeiros basculantes, desde que eles exerçam a função sem utilizar parques, áreas verdes, margens córregos e outros cursos hídricos como destino dos materiais que transportam, ou seja, que atuem em conformidade com as leis ambientais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.