Bate boca entre vereadores causa suspensão de sessão da Câmara Municipal

A confusão começou depois que presidente da Casa, Romário Policarpo, pediu que o Plenário fosse esvaziado. A forma como o filho do vice-presidente, Clécio Alves, foi retirado motivou o bate boca

Foto: Lívia Barbosa | Jornal Opção

O clima esquentou durante a sessão plenária da Câmara Municipal de Goiânia na manhã desta quarta-feira, 22. Tudo aconteceu depois do presidente, Romário Policarpo, pedir que o Plenário fosse esvaziado. No entanto, lá estava o filho do vice-presidente da Casa, vereador Clécio Alves. A maneira com que o rapaz foi conduzido pelos policiais militares não só desagradou seu pai, mas desencadeou um grande bate-boca entre vereadores.

Diante da nítida indignação de Clécio Alves, o vereador Cabo Senna disparou: “Seu filho não estava sendo conduzido preso, pediram apenas que ele se retirasse por causa da ordem [do presidente]. Os policiais não sabem quem é quem, agora eles já sabem que é seu filho. Eles precisam ser respeitados, especialmente pelo senhor que é vice-presidente desta Casa”.

Depois foi a vez de Clécio rebater o parlamentar. Ao discursar, disse ser um homem humilde, mas não a ponto de ser humilhado. “Dizer que tiraram meu filho de maneira educada, sendo que daqui eu vi dois policiais torcendo o braço dele para trás? Faça-me o favor. Meu filho não é bandido para ser retirado daquela maneira, eu não aceito. Não conheço quem são os dois policiais, mas se fosse o filho deles sendo retirado daquela forma eles não aceitariam. Se fosse filho seu [disse direcionado ao Cabo Senna], o senhor também não aceitaria.”

Diante dos apontamentos, Senna resolveu então falar ‘sem o microfone’, ou seja, sem a autorização prévia do presidente da Casa e em desacordo com o regimento interno. Do centro do Plenário, o vereador disse em tom agressivo: “Não venha colocar palavras na nossa boca, vereador”.

Clécio então elevou ainda mais o tom: “Você quer me bater rapaz? Você tá achando que você é mais do que eu por que?”. Neste momento, policiais militares já adentravam ao Plenário para intervir, caso necessário. Em meio a confusão, o presidente pediu a suspensão do encontro e a transmissão ao vivo prontamente interrompida.

Vereador quer as imagens

Depois do ocorrido, o vereador Cabo Senna decidiu solicitar as imagens registradas pela TV Câmara e câmeras de segurança e vídeo monitoramento do plenário. O intuito é checar a veracidade das afirmações de Clécio Alves que afirmou ter visto o filho sendo conduzido de maneira abrupta pelas autoridades. O pedido foi formalizado e encaminhado ao presidente do Parlamento. Veja:

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.