Atos de 1º de Maio refletem disputa entre Lula e Bolsonaro

Manifestações foram marcadas por apoio político aos dois principais pré-candidatos à presidência, segundo as pesquisas

Na data em que celebra-se o Dia do Trabalho, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realizaram atos por todo o país. Em Goiânia, centrais sindicais reuniram-se na Praça do Trabalhador, no Setor Norte Ferroviário, enquanto bolsonaristas marcaram presença na Praça Tamandaré, no Setor Oeste. Além de apoiar Bolsonaro, o movimento também condenou o Supremo Tribunal Federal (STF) e a condenação do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ).

Já a ação organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) foi marcada por discursos de apoio a Lula, além de apresentações artísticas e oferta de serviços gratuitos à população, como corte de cabelo e aferição de pressão arterial no local. A presidente da CUT Goiás, Bia de Lima, discursou na abertura dos atos. “Precisamos buscar a unidade dos companheiros e companheiras que têm esperança de dias melhores para os trabalhadores”, declarou.

Em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro cumprimentou apoiadores reunidos na Esplanada dos Ministérios, acompanhado do deputado federal Hélio Lopes (PL-RJ), conhecido como Hélio Negão. O grupo exibiu faixas de apoio ao presidente e de críticas à atuação do STF, com frases como “sim à liberdade, não à Ditadura” e “STF sim, mas esses ministros não”. Apesar da passagem no ato, Bolsonaro não fez um longo discursou. O presidente apenas cumprimentou apoiadores e parabenizou pela ação. “Cumprimentar o pessoal que está aqui na manifestação pacífica em defesa da Constituição, da democracia e da liberdade. Então, parabéns a todos de Brasília, bem como todo o Brasil que hoje estarão nas ruas. Tamo junto, o Brasil é nosso. Deus, pátria e família.”, disse.

Em Niterói, Rio de Janeiro, o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) também discursou para bolsonaristas. Acusado pelo STF e perdoado pelo presidente, o parlamentar declarou que “se não fosse o presidente Bolsonaro, essa cor amarela e verde não estaria acontecendo, estaria vermelha”.

Em São Paulo, um dos principais pontos de concentração dos apoiadores do ex-presidente Lula ocorreu na Praça Charles Muller, em frente ao Estádio do Pacaembu. Durante a manhã, Guilherme Boulos disse esperar que esse seja o último 1º de maio com um fascista na presidência e criticou a reforma trabalhista. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad também marcou presença no evento e questionou a política econômica do atual governo, elogiando o ex-presidente petista. “O que Lula nos ensinou quando presidente? Para a economia crescer, todo mundo precisa ganhar. A hora que o trabalhador não ganha, a economia não se mexe. O que as centrais precisam fazer? Conscientizar as pessoas sobre o que está acontecendo. O papel do sindicato é explicar porque os empresários estão felizes e o trabalhador não consegue botar comida na mesa. É o modelo que está errado. O modelo econômico do Guedes e do Bolsonaro está errado”, apontou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.