Francisco Júnior, Santana Gomes e Marlúcio Pereira acusaram o banco de patrocinar pornografia e afronta à família e cobraram posicionamento da Casa

Fotos: Ruber Couto

Os deputados Marlúcio Pereira (PSB), Santana Gomes (PSL) e Francisco Junior (PSD) subiram na tribuna nesta terça-feira (19/9) para repudiar a exposição sobre diversidade sexual promovida pelo Banco Santander em Porto Alegre (RS). Além de se posicionar contra a Queermuseu, eles pediram que a Assembleia Legislativa encerre sua conta no banco, onde é feito o pagamento dos servidores da Casa.

“Não tenho nada contra a diversidade, mas sim contra o desrespeito, o que uma instituição financeira tem com esse tema? Não quero o suor do meu trabalho nesse banco, as contas dos servidores dessa Casa estão no Santander. Quero a transferência da minha conta para outro banco, se não houver uma retratação pública da instituição. Me senti agredido e constrangido”, declarou Francisco.

Marlúcio completou: “Uma verdadeira vergonha, patrocinada pelo Banco Santander, que recebeu dinheiro público para patrocinar um desfile de horrores contra nós cristãos, seja evangélico, católico ou espírita”.

A exposição ganhou repercussão depois que o Movimento Brasil Livre (MBL) a acusou de fazer apologia a pedofilia, zoofilia e promover a sexualização de crianças. Ela ficaria em cartaz até 8 de outubro, mas foi encerrada no último domingo (10), por decisão do Santander que, em nota, pediu desculpas e afirmou que “o objetivo da exposição era incentivar as artes e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia”.