Após erros da banca, concurso da Câmara de Caldas Novas tem parte da prova suspensa

Questões discursivas chegaram com parte das respostas. Empresa afirma que não haverá prejuízos aos candidatos e diz que houve erro de revisão

Foto: Reprodução

O concurso da Câmara Municipal de Caldas Novas, aplicado neste fim de semana, acabou com parte da prova para procurador suspensa por erros na elaboração do certame. Segundo relato de candidatos, as questões discursivas chegaram respondidas, causando princípios de confusão e muita frustração entre concurseiros.

Ao Jornal Opção, uma candidata relata que ao perceber a possível irregularidade, outra advogada que fazia a prova reclamou com o fiscal da sala. Segundo ela, no primeiro momento a banca teria afirmado que não havia problemas no exame. Minutos mais tarde, no entanto, foram informados de que a parte comprometida seria desconsiderada e reaplicada em outra data.

Um dos sócios do Itec Consultoria, Edmar Moura, empresa responsável pela elaboração das provas, afirma que o erro se deve a problemas na revisão. Edmar explica que na parte discursiva há um gabarito para que os professores da banca possam compreender qual o caminho o candidato irá percorrer para elaboração da resposta e, nesse caso, havia a indicação de peças jurídicas. O empresário ressaltou que o erro estava em todas as provas, sem indício de favorecimento de nenhum candidato.

“Toda a outra parte do concurso – objetiva – está absolutamente correta. A empresa já se prontificou a aplicar em uma nova data”, informou Edmar, que acrescenta que a data ainda não está estabelecida, sendo provável que seja definida pela banca no final desta semana. “A discussão que está acontecendo é se aplica para os 10 primeiros colocados na prova objetiva”, adianta o empresário.

Candidatos reclamam

Apesar da promessa de reaplicação, candidatos se dizem lesados, já que muitos não residem no município, visto que o certame recebeu inscrição de todo o país. “Como que não vai ter prejuízo se eu não moro em Caldas Novas e terei que vim só para fazer a prova?”, questiona um dos candidatos.

Sobre isso, Edmar afirma: “No edital está claro, a empresa e a instituição não se responsabilizam pelos gastos dos candidatos. A nossa responsabilidade é a aplicação”. Conforme informação repassada pelo vereador Léo de Oliveira, há a possibilidade que a reaplicação seja feita apenas para os primeiros colocados, já que a nota da discursiva só seria acrescida para os primeiros 10 colocados.

O que diz a Câmara

Em nota pública a Câmara afirma:

A Câmara Municipal de Caldas Novas, estado de Goiás, vem à público esclarecer que neste domingo dia 13/10/2019 foram aplicadas as provas do Concurso Público – 001/2019, cujo os cargos concorridos foram de Auxiliar de Serviços Gerais, Vigilante, Agente Administrativo, Secretário(a) e Procurador Jurídico.

As aplicações de provas transcorreram dentro da normalidade, sem ocorrências que maculem o certame, no entanto, quanto a prova prática do cargo de Procurador Jurídico haverá a necessidade de sua reaplicação, porque a banca verificou no início do certame que a questão continha um erro de diagramação (formatação), pois, seguido da problemática apresentada havia um parágrafo com a indicação da peça exigida.

Esta falha foi apresentada em todas as provas, o que demonstra não ter havido intenção de beneficiamento de qualquer pessoa.

Informamos que a Câmara Municipal de Caldas Novas – GO não possui qualquer vínculo com este fato, pois as provas são elaboradas, verificadas, transportadas, aplicadas e corrigidas pela empresa vencedora da licitação, a ITEC – Instituto de Tecnologia e Educação (www.itecconcursos.com.br).

Em breve informações sobre a data da reaplicação da prova prática para o cargo de Procurador Jurídico estarão nos sites da ITEC e da Câmara Municipal de Caldas Novas/GO.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.