Fiel escudeiro de Bolsonaro e pré-candidato ao Governo de Goiás, o deputado federal pretende fazer campanha em território “medanhista” mesmo com rumo contrário do PL goiano

O deputado federal Major Vítor Hugo (PL) espera contar com o apoio de seu partido para cumprir agenda de pré-campanha em Aparecida de Goiânia, entretanto, o diretório goiano parece caminhar para outro lado. Nesta semana, o presidente estadual da sigla, Flávio Canedo (PL) e sua esposa, a deputada federal Magda Mofatto (PL), participaram de ‘adesivaço’ com o nome de Gustavo Mendanha (Patriota). Apesar disso, Vítor Hugo se agarra ao apoio nacional e joga “por cima” com o aval de Jair Bolsonaro (PL). “O diretório goiano e o nacional apoiam a nossa pré-candidatura e o nosso esforço”, disse ao Jornal Opção.

Vítor Hugo reforça a necessidade de manter uma agenda consistente em Aparecida, pois “é uma cidade importante não só para Goiás, mas para todo o Brasil. É lógico que não vamos deixar de interagir com as pessoas de lá, inclusive para ouvir os problemas, que podem vir a ser resolvidos com a atuação do Hugo, futuro governador do Estado”. Ainda, segundo o pré-candidato, ele tem mantido bastante diálogo com lideranças municipais, empresários e cidadãos aparecidenses. “Me procuram pois estão insatisfeitos com a visão que foi criada em torno da cidade e de Goiás”.

Sobre datas de agendas, o deputado federal diz que na próxima semana, dias 5 e 6 de abril, irá visitar alguns locais do município e fazer reuniões com apoiadores. Ao Jornal Opção, o presidente municipal do PL em Aparecida, Geferson Aragão, desconhece sobre as idas de Vítor Hugo à cidade. Ele, que é secretário de Esporte e Lazer, aliado de Mendanha, diz que quando há demanda do tipo, “recebe orientação de cima” e que cumpre “determinação do PL estadual”. Em contrapartida, Vítor Hugo diz ter ido “quase que semanalmente em Aparecida”.

Ao fazer campanha em uma região majoritariamente “medanhista”, Vítor é enfático. “Aparecida não é terra de um político em particular. É a segunda maior cidade goiana, possui um parque empresarial considerável, milhares de empresas pujantes. Ela não pertence a um político só”, critica.