“Ano difícil”, admite Lissauer Vieira em votação de projetos decisivos na Alego

Conforme o presidente da Casa, se fosse questão de escolha, os parlamentares não estariam votando, hoje, matérias tão duras

Lissauer Vieira preside sessão extraordinária neste sábado, 21 / Foto: Divulgação

A Assembleia Legislativa de Goiás encerra neste sábado, 21, seu ano de trabalhos com a votação de cinco importantes projetos concernentes aos servidores públicos e às finanças do Estado.

Em sessão extraordinária que acontece nesta manhã, os deputados votam o projeto de nº 7213/19, do Estatuto do Servidor Público Estadual;  o de nº 7211/19, do Estatuto e o Plano de Cargos e Vencimentos do Pessoal do Magistério; o projeto de nº 5102/19, que tange ao Plano Plurianual; o de nº 5891/19, referente à Lei Orçamentária Anual (LOA) e, por fim, a polêmica Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência estadual, que será votada após a liminar que impedia sua tramitação cair.

Para o presidente da Casa, Lissauer Vieira, este foi um ano de muito trabalho e recorde de quórum na Alego. Entretanto, a situação das finanças do Estado, segundo ele, e o teor dos projetos que chegaram ao Plenário não foram nada fáceis de se lidar. “Foi um ano difícil. A gente sabe e reconhece que foi um ano de ajustes, ajustes necessários para o andamento das finanças do Estado de Goiás”, admite.

Segundo o presidente, o trabalho da oposição é justificável, uma vez que as propostas apresentadas e votadas possuem um efeito duro para a população. “A oposição está no papel dela de mostrar a dureza dos projetos, mas a realidade é que Goias está numa situação muito difícil. Se nós não tivermos a responsabilidade de tomar as medidas desse momento, não vamos ter condição de pagar o funcionário público”, conta.

Do Plenário da Casa, Lissauer finaliza dizendo que, se fosse uma questão de escolha, os parlamentares não estariam deliberando tais projetos. “Ninguém queria estar votando matérias duras como essa, mas nós vivemos uma realidade difícil”, arremata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.