Angelita Lima afirma que UFG sofreu um acinte, mas defenderá projeto escolhido em consulta interna

A nova reitora nomeada irá se encontrar com Sandramara Matias Chaves, representante do projeto mais votado pelo Consuni, para conversar sobre o mandato de 2022-2025

Angelita Lima: “A gente fica entristecida pela não nomeação do primeiro nome na lista tríplice” | Foto: Reprodução

Angelita Pereira de Lima, nova reitora da Universidade Federal de Goiás (UFG), afirmou ao Jornal Opção que a inédita escolha do presidente da República pelo terceiro nome da lista tríplice definida pelo Conselho Universitário (Consuni) é lamentável. A nova reitora nomeada irá se encontrar com Sandramara Matias Chaves, representante do projeto mais votado pelo Consuni, para conversar sobre o mandato de 2022-2025.

“A gente fica entristecida pela não nomeação do primeiro nome na lista tríplice”, disse Angelita Pereira de Lima. “Não podemos normalizar isso, que na história da UFG acontece pela primeira vez. Até então, os presidentes sempre respeitaram a escolha que a comunidade universitária faz para si mesma.” 

As eleições para a reitoria das universidades federais ocorrem por consulta à comunidade acadêmica. Os projetos mais votados são cadastrados pelo Consuni em edital público, a partir do qual a lista tríplice será formada com os professores comprometidos com seus respectivos projetos se candidatando. Desta forma, Angelita Pereira de Lima descarta a impressão de que a lista tríplice foi composta de forma a facilitar a escolha do presidente pelo nome de Sandramara Matias Chaves.

“A universidade cumpriu o processo democraticamente e os três nomes se candidataram a partir do edital público; então não foi uma lista deliberadamente formada, não houve uma estratégia na apresentação dos nomes”, disse a nova reitora nomeada. O processo de escolha por um projeto de gestão também justifica a revolta da comunidade acadêmica, afirma a professora. 

“Sandramara representa o projeto referendado pela consulta universitária, então ela faz parte da ideia de reitoria que queremos”, disse Angelita Pereira de Lima. “Se ela de fato fará parte da reitoria, eu não posso dizer porque essa é uma resposta dela. Hoje nos reuniremos e essa definição ficará mais clara”.

Sobre as razões para a escolha de Jair Bolsonaro (PL) pelo terceiro nome, Angelita Pereira de Lima afirmou: “Não sei os motivos, mas, se houver essa resposta, é uma explicação que não resolve a situação. A universidade sofreu um acinte em sua autonomia e as causas que conseguimos elencar não nos tiram desse problema.”

Sandramara Matias Chaves é atual vice-reitora e continuará em exercício no cargo até o dia 14 de janeiro. Angelita Pereira de Lima é professora e diretora da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC), membro do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos e professora da UFG desde 2002.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.