Alvo de Fake News em Porangatu, Vanuza Valadares aciona Justiça

Pedido de investigação foi acolhido pelo Ministério Público e Polícia Federal deve investigar o caso.  “Sou uma mulher forte e determinada e tenho coragem de enfrentar tudo isso que está acontecendo”, reage candidata

Vanuza Valadares: Candidata em Porangatu | Foto: Reprodução

A candidata à prefeitura de Porangatu, Vanuza Valadares (Podemos), e seus familiares denunciaram estarem sendo vítimas de afirmações falsas, injuriosas e difamatórias nas redes sociais e em programas televisivos. Os ataques teriam iniciado antes mesmo do período eleitoral e tem se intensificado durante a campanha.

A ex-presidente da Ceasa Goiás entrou com ação eleitoral criminal contra a divulgação das Fake News, e o pedido de investigação foi acolhido pelo Ministério Público para que se instaure um inquérito policial para apurar a rede de difamação contra sua candidatura.  A investigação será promovida pela Polícia Federal.

“Em nenhum momento eu vou deixar a minha família ser atacada, como estou sendo nos programas de televisão, e eu não vou deixar e nem vou atacar ninguém em nenhum dos meus programas. Eu sofro chantagem hoje. É gente querendo me desqualificar. Pessoas querendo até ir à nossa produtora comprar as pessoas que trabalham para nós. Muitas mulheres não querem entrar na política por causa dessa baixaria, mas eu sou uma mulher forte e determinada e tenho coragem de enfrentar tudo isso que está acontecendo”, desabafou Vanuza.

Vanuza Valadares: Foto: Reprodução

De acordo com o advogado da coligação “Porangatu Melhor”, Manoel Toledo, o mapeamento realizado nos últimos seis meses evidência a possível criação de uma espécie de “Gabinete do Ódio”, que visa beneficiar um grupo político. “Por mais que a população pense que a internet é terra sem lei, isso não se propaga no direito, pois o mesmo tipifica vários crimes em face da mera divulgação de atos sabidamente inverídicos”, afirmou.

“Não se pode admitir que abusos eleitorais interfiram na soberania das urnas. É imprescindível criar mecanismos efetivos para impedir a difusão das fakes News durante as eleições”, acrescentou o advogado.

Segundo informações fornecidas pela assessoria da candidata, mais de 20 vídeos foram montados artificiosamente para denigrir a imagem de Vanuza e de sua família. Além disso, foram compilados pelo menos 100 prints das conversas com comentários pejorativos, mentiras e ofensas, propagadas principalmente via WhatsApp. Posteriormente, alguns deles se retrataram em vídeo e pediram desculpas à candidata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.