Agência Espacial Brasileira usa internet para estimular interesse de jovens

A AEB perdeu, em 2003, os principais especialistas da área com o acidente na Base de Alcântara

Para estimular o interesse de jovens pelas atividades aeroespaciais, a Agência Espacial Brasileira (AEB) abriu, no seu site, um espaço que reúne diversos projetos e atividades aeroespaciais desenvolvidas por ela e por universidades, além de instituições parceiras que ensinam e executam atividades aeroespaciais. A AEB perdeu, em 2003, os principais especialistas da área com o acidente na Base de Alcântara.

O foco da página está voltado, segundo a agência, “para a educação, o desenvolvimento tecnológico e a formação de recursos humanos” na área de engenharia aeroespacial. Chamado de E2T (sigla para Educação, Espaço e Tecnologia), o espaço online apresenta projetos como os nanossatélites o NanosatBR1, o AESP-14, o Projeto Serpens, o ITASat, e o UbatubaSat.

Com peso entre 1 e 5 quilos, os nanosatélites têm diversos tipos de aplicações. Em geral, são usados para o sensoriamento remoto da superfície terrestre, por meio de fotografias de alta resolução objetivando a coleta de dados meteorológicos e hidrográficos. Também são usados como instrumento de medição do desmatamento e das irradiações atmosféricas, além de outros tipos de experiências científicas.

Os nanosatélites têm vantagens em relação aos satélites normais, como menor custo e, devido a menor dimensão, são mais baratos, fáceis e rápidos de serem colocados em órbita. São, também, mais fáceis de operar e têm uma engenharia de sistema mais integrada. Apesar de pequenos, eles têm todas as partes dos grandes satélites: antenas, comunicação por rádio, sistema de controle de energia, painel solar, estrutura (uma espécie de esqueleto do satélite), computador de bordo, sistemas de posicionamento e de propulsão. A diferença é que todas elas estão em apenas um compartimento.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.