Advogada diz que jovem que atirou em colegas era ajustado, bom aluno e sem problemas

 

Rosângela Magalhães disse ainda que o jovem voltou a demonstrar arrependimento

Advogada Rosângela Magalhães | Foto: Larissa Quixabeira/ Jornal Opção

Advogada da família de J.C.M., jovem que atirou contra colegas em colégio de Goiânia, Rosângela Magalhães, falou nesta sexta-feira com a imprensa após a primeira audiência sobre o caso, que aconteceu no Juizado da Infância e Juventude.

O menor e os pais foram ouvidos hoje pela justiça. Questionada sobre como a família está lidando com a tragédia, a advogada reforçou a tese de que o autor dos disparos era tranquilo e nunca foi motivo de preocupação para os pais.

“Não posso me debruçar sobre esse assunto. Em síntese é que para todos os familiares isso foi uma situação de extrema surpresa e que menino era ajustado, sem qualquer reclamação, sem qualquer tipo de fato passado que levasse a essa preocupação. Um menino ajustado, que tirava boas notas, sem nenhum tipo de problema. Eram uma família harmônica, a relação entre pai e filhos sempre foi muito tranquila”, contou.

Esta foi a segunda vez que os pais e o garoto J.C.M. se reencontraram após o atentado. A advogada contou que eles conversaram brevemente e estão muito abalados.

“Entendo que, como uma pessoa leiga, pai, mãe e menor, estão altamente abalados, sofridos com a situação. Ele é introvertido e faz com que tenhamos dificuldade em analisar o comportamento. Muito contido, respondeu a tudo que lhe foi perguntado”, acrescentou.

Magalhães disse ainda que o jovem voltou a demonstrar arrependimento e que não iria comentar sobre as suspeitas de bullying.

A juíza Ítala Colnaghi, responsável pelo caso, determinou, nesta sexta-feira (27/10), que seja feita uma avaliação psicológica do adolescente — que matou dois e deixou quatro feridos em atentado na última semana.

Durante a breve coletiva, a advogada explicou que já na próxima segunda-feira (30/10) a Justiça voltará a ouvir envolvidos no caso: testemunhas indicadas tanto pela defesa quanto pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO).

Deixe um comentário