Abandonado há quase 10 anos, canteiro de obras da Casa de Vidro vira estacionamento

Complexo cultural foi lançado na última gestão de Iris Rezende, em 2008, e era “conquista” da ex-deputada e atual primeira-dama, Dona Íris

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Fernando Leite/ Jornal Opção

Quem passa pelo entroncamento das Avenidas E, Jamel Cecílio e Rua 52, no Jardim Goiás, já deve estar acostumado a ver um terreno baldio com o que parece ser o início de uma construção.

O local deveria abrigar um pomposo complexo cultural, mas acabou virando ao longo dos anos abrigo para moradores de rua e, mais recentemente, estacionamento. Quando o poder público se furta a cumprir seu papel constitucional, a sociedade dá seu próprio jeito.

Abandonado há quase dez anos, o canteiro de obras da apelidada de “Casa de Vidro” está sendo utilizado por vizinhos e trabalhadores da região como estacionamento. Na tarde desta quinta-feira (27/7), o Jornal Opção flagrou diversos veículos parados no que era para ser um centro de referência de cultura.

Até o ano passado, a área da suposta Casa de Vidro era cercada por tapumes, que chegaram a ser grafitado por artistas locais — o máximo de cultura que o local já viu. No entanto, nem isso há mais: aberto, o terreno foi ocupado pela população.

Histórico

Maquete do que seria a Casa de Vidro | Foto: reprodução

O projeto da Casa de Vidro foi anunciado no fim da última gestão de Iris à frente da prefeitura, em 2008. Previa-se para a obra uma cúpula de vidro, com formato elipsoide com mais de 13 metros de altura; e um salão multiuso acoplado, que seria revestido com lâminas de alumínio inspiradas nas escamas do fruto do buriti. A obra nunca saiu do papel.

O complexo cultural (como foi chamado à época) foi orçado em quase R$ 4 milhões e os recursos para a construção viriam de emenda parlamentar proposta pela então deputada federal Dona Íris (PMDB) — derrotada à reeleição em 2014 e, hoje, primeira-dama da capital.

A emenda foi feita junto ao Ministério do Turismo em 2008. Contudo, o primeiro repasse foi realizado apenas em 2011, visto que Iris deixou a prefeitura para disputar (e perder) o governo de Goiás em 2010.  A obra só foi autorizada no final daquele ano, pelo então prefeito Paulo Garcia (PT).

Uma reportagem do Jornal Opção naquele ano mostrou que a construção começou, mas parou quando a empreiteira contratada por licitação decidiu deixar o projeto. A empresa, segundo consta, afirmou ter “dificuldades” para execução do complexo.

Menos de 10% das obras foram executadas e a área hoje se encontra em estado de degradação (como mostram as fotos do repórter Fernando Leite). A prefeitu­ra, diante da constante reclamação de moradores da região de que as fundações da Casa de Vidro estavam servindo de abrigo para usuários de drogas, chegou a cercar o local com tapumes. Porém, foram derrubados e a área se encontra aberta novamente.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mauro de Oliveira

Tudo balela …. No afã da vitória eleitoral fazem de tudo, principalmente mentir. Já sabem que o povo tem memória perene e está acostumado aos enganos, já virou cultura.