Processo sobre contratações fantasmas chega à corregedoria da Câmara de Goiânia e tem mais de 4 mil páginas

Segundo corregedor da Casa, Paulinho Graus, autos contêm gravações em vídeo e áudio dos envolvidos no suposto esquema. Ele avaliou que é preciso responsabilidade ao analisar caso do colega Divino Rodrigues

O processo que apura o suposto envolvimento do vereador Divino Rodrigues (Pros) na contratação de servidores fantasmas em seu gabinete na Câmara Municipal chegou há uma semana para o corregedor da Casa, o vereador Paulinho Graus (PDT).

O processo tem mais de 4 mil páginas e foi enviado pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) e o Ministério Público de Goiás (MPGO), este último responsável pela deflagração da Operação Poltergeist, no início de abril. As investigações apontaram também a participação do deputado Daniel Messac (PSDB) no esquema.

De acordo com Paulinho Graus, os autos recebidos são sigilosos e contêm muitas gravações em áudio e vídeo. “Não é qualquer trabalhinho analisar isso daqui”, avaliou, mostrando ao Jornal Opção Online o calhamaço. Ele avalia que é preciso responsabilidade na análise do caso pela sua complexidade. Isso porque os documentos relatam apurações feitas na Assembleia Legislativa e na Câmara de Goiânia. “É preciso analisar de forma separada com o que aconteceu na Assembleia”, informou o vereador.

Operação

Ao menos 90 pessoas foram investigadas pelo MPGO há um ano por suspeita de esquema de desvio de verba pública na Assembleia Legislativa e na Câmara de Vereadores de Goiânia por meio da contratação de servidores fantasmas. As apurações foram iniciadas com denúncia feita por um envolvido no esquema e resultaram na deflagração da Operação Poltergeist.

Foi investigada também a possível prática de nepotismo cruzado entre as duas Casas, supostamente envolvendo Daniel Messac e de Divino Rodrigues (Pros), que estariam mantendo em seus respectivos gabinetes familiares de um e de outro, de forma trocada.

As investigações apontaram compensação “salarial” entre os funcionários fantasmas –– para que embora em casas legislativas diferentes, os “contratados” recebessem o mesmo valor ––; e que essas pessoas acordavam em devolver entre 80% e 90% do valor total do vencimento.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.