Tocantins implanta rede de pesquisas sobre produtos químicos agrícolas

Objetivo é investigar o impacto do uso de agrotóxicos

Secretário de Saúde, Renato Jayme: ponto de equilíbrio é o grande desafio | Foto: Divulgação

O controle, a intervenção e a prevenção do uso de agrotóxicos envolvendo produção agrícola, trabalhadores, consumidores e o meio ambiente foi tratado como prioritário no Estado do Tocantins, após este se tornar o primeiro Estado brasileiro a ter uma rede de pesquisas sobre produtos químicos agrícolas por meio da assinatura do Termo de Cooperação Técnica da Rede Analítica e de Pesquisas em Produtos Químicos Agrícolas das regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil.

A implementação da rede é instrumento que cria condições de análise e pesquisa necessárias para investigar o impacto do uso de agrotóxicos na saúde de trabalhadores, nos alimentos e no meio ambiente, por meio da avaliação do nível de contaminação nas águas, nos sedimentos de rios, peixes, alimentos naturais ou processados, nos trabalhadores, e outras matrizes humanas e ambientais, avaliando os diversos fatores ocupacionais, físicos, ecológicos e antrópicos que podem estar influenciando os níveis de contaminação.

“Essa discussão da necessidade de unir esforços para aprimorar as análises do uso do agrotóxico é fundamental para a sociedade, é necessário discutir os impactos que o uso dos produtos químicos que afetam a saúde do trabalhador, do consumidor e do meio ambiente. Precisamos aprimorar estes eixos de ensino, pesquisas, saúde e agronegócios na busca de novas formas de se trabalhar em prol deste bem maior, que é nossa saúde”, afirmou o procurador da 10ª procuradoria de justiça do Ministério Público Estadual e presidente do Fórum Tocantinense de Combate a Agrotóxicos, José Maria da Silva Júnior.

Já para o secretário de Estado da Saúde, Renato Jayme, achar o ponto de equilíbrio entre o uso do agrotóxico, a saúde da população e meio ambiente é o grande desafio e a rede de pesquisas irá subsidiar essas ações para o Estado, que é um grande produtor. Na mesma linha, o secretário de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária, Thiago Dourado, afirmou que “a ciência do campo está em constante evolução, revolucionando a natureza, transformando o que não era produtivo em áreas produtivas; e esse debate cruzado de, como aumentar a produção e preservar o meio ambiente, tem norteado o agronegócio, é um questionamento mundial, produzir e preservar a vida e o meio ambiente. Esta rede vai ajudar a sanar problemas para podermos ter uma produção sustentável no Tocantins e no País”.

A Universidade Federal do Tocantins (UFT) abraçou a causa da Rede Analítica dando não só a estrutura dos laboratórios existentes na instituição como também disponibilizou todo seu corpo docente de pesquisadores para, em conjunto, colaborar com estudos sobre o tema.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.