De acordo com fontes do setor, operadoras de telecomunicações e especialistas, os pacotes que oferecem tráfego ilimitado para aplicativos como WhatsApp podem estar com os dias contados. As informações foram antecipadas pela Folha de S.Paulo.

No mês passado, o presidente da Claro Brasil, José Félix, classificou a estratégia de tráfego ilimitado como um erro das operadoras. Em uma entrevista recente, um executivo da Vivo mencionou que a empresa tem reduzido a oferta de aplicativos com dados ilimitados devido à necessidade de investir na infraestrutura de rede.

No Brasil, assim como em outros países, a discussão sobre a divisão dos custos de investimentos na rede entre as empresas de aplicativos (chamadas de OTTs, como Facebook, Netflix e TikTok, entre outras) e as operadoras de telecomunicações está ganhando força. Na União Europeia, por exemplo, as autoridades de concorrência estão debatendo a possibilidade de obrigar as OTTs a compartilharem esses custos.

A divisão de investimentos entre as empresas de telecomunicações e as OTTs está em uma fase inicial de consulta na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), conhecida como “tomada de subsídio”. Esse processo envolve perguntas e reflexões, sem a formulação de um texto final.

Operadoras

Nos bastidores, executivos da Vivo, TIM e Claro têm defendido a ideia de compartilhar os investimentos na rede com as OTTs. Para Ari Lopes, consultor da Ovum, a eliminação do acesso gratuito a esses aplicativos faz parte da estratégia das operadoras para incentivar as grandes empresas de tecnologia a também contribuírem com os investimentos na infraestrutura de rede.

Atualmente, a Claro oferece acesso ilimitado a aplicativos como WhatsApp e Waze em seus pacotes controle e pós-pagos, sem descontar da franquia de dados. Nos planos mais robustos, esse benefício se estende a outros aplicativos como Twitter, Instagram, Facebook e TikTok.

A TIM também oferece acesso ilimitado ao WhatsApp. No caso do Instagram, Twitter, Facebook e Messenger, esse benefício é válido apenas por três meses nos planos controle. Nos pós-pagos, não há um período preestabelecido.

Por sua vez, a Vivo oferece apenas acesso ilimitado ao WhatsApp. As operadoras têm buscado criar pacotes em parceria com empresas de streaming, mas esses pacotes têm limites de tráfego de dados. Segundo um executivo de uma operadora de telecomunicações, a mudança para eliminar o acesso ilimitado será gradual, começando pelos planos pós-pagos e controle e, posteriormente, afetando também os planos pré-pagos.

Procuradas, Claro e TIM não comentaram o assunto, e a Vivo não fez declarações adicionais.

Leia mais: