Entidades classistas representantes da Polícia Civil e policiais civis votaram a favor de acordo com o Governo de Goiás para parcelamento de data-base referente ao ano de 2022 em duas vezes. A decisão ocorrou eu reunião nessa terça-feira, 16, durante Assembleia Geral Extraordinária Conjunta no Complexo de Delegacias Especializadas.

Porta-voz das entidades presentes, o delegado Adriano Sousa Costa, do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de Goiás (Sindepol), apresentou proposta levantada em acordo com o secretário de governo Adriano Rocha Lima, aprovada pelos presentes. Segundo a proposta, o pagamento será feito em duas parcelas, sendo uma de 3% ainda na folha de maio e outra em outubro de 2,93%, totalizando 5,93% referente a recomposição inflacionária relativa ao ano de 2022.

Ele explicou ainda sobre o recurso extraordinário 565089 do STF, que chancela que cada estado, com justificativas razoáveis, deixe de pagar a data-base ou aplique o fator menor que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do ano anterior. “Termos conseguido o pagamento de 100% do índice já pode ser considerado um grande passo, uma vez que o governo não era obrigado a pagar a porcentagem total”, disse.

Além do Sindepol, estiveram presentes a União Goiana dos Policiais Civis (Ugopoci), o Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sinpol), a Associação dos Escrivães da da Polícia Civil do Estado de Goiás (Aepego), a Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Goiás (Adpego), a Associação dos Papiloscopistas Policiais do Estado de Goiás (Asppap) e a Associação dos Profissionais em Papiloscopia do Estado de Goiás (Appego).

Durante a assembleia, as entidades também foram informadas que o Governo formalizou nova discussão para tratar sobre as datas-bases dos anos anteriores, em fevereiro de 2024. O documento já está publicado no Sistema Eletrônico de Informações (SEI) e “até esta data, é provável que o estado de Goiás saia do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e tenha mais facilidade para negociar”, finalizou o presidente do Sinpol, Renato Rick.

“Não foi como esperávamos, que seria o pagamento em uma única vez, mas a redução do parcelamento e o pagamento de 100% do índice já traz um pouco de conforto e a certeza que a data-base será paga em 2023”, comentou a presidente da Ugopoci, Nelma Félix.

Outras entidades representativas de militares, ligadas a policiais, bombeiros e pensionistas, também realizaram reunião geral – em formato virutal – e aderiram a proposta de parcelamento. Segundo o presidente da União dos Militares de Goiás, Coronel Afrânio Carrijo, das propostas oferecidas, esta foi a que mais se aproximava do que era almejado. “Nós explicamos sobre todas as tratativas até aqui e sobre a proposta de parcelamento, mesmo com a discordância de alguns, a maioria foi favorável pela aceitação do parcelamento em duas vezes”, comentou o presidente.