Segundo a revista científica Nature Communications, as estatísticas globais mostram um aumento nas taxas de mais de uma dúzia de tipos de câncer entre adultos com menos de 50 anos. Esse aumento varia de país para país e de câncer para câncer, mas modelos baseados em dados globais preveem um aumento de cerca de 30% nos casos de câncer de início precoce entre 2019 e 2030.

Nos Estados Unidos, o câncer colorretal, que geralmente afeta homens com idade igual ou superior a 60 anos, tornou-se a principal causa de morte por câncer entre homens com menos de 50 anos. Entre as mulheres jovens, tornou-se a segunda principal causa de morte por câncer.

O número de casos de câncer entre pessoas com menos de 50 anos aumentou 79% nas últimas três décadas, segundo relevou um estudo publicado na revista científica “BMJ Oncology”. Enquanto os apelos por melhores rastreamentos, conscientização e tratamentos aumentam, os pesquisadores estão tentando entender por que as taxas estão aumentando.

Os fatores mais prováveis, como o aumento das taxas de obesidade e o rastreamento precoce do câncer, não são totalmente responsáveis pelo aumento. Alguns pesquisadores estão investigando o papel do microbioma intestinal ou dos genomas dos tumores.

Muitos acreditam, no entanto, que as respostas estão em estudos que acompanharam a vida e a saúde de crianças nascidas há meio século. Sonia Kupfer, gastroenterologista da Universidade de Chicago, em Illinois, comenta que, se houvesse uma única causa evidente, os estudos já teriam identificado pelo menos um fator, mas parece ser uma combinação de vários fatores diferentes.

O cancro começa com o crescimento anormal e descontrolado de células que se convertem em cancerosas devido a uma anomalia no seu ADN. Pode ser entendido com uma proliferação anormal de células. Esses cânceres de início precoce afetam frequentemente o sistema digestivo, com alguns dos aumentos mais significativos nas taxas de câncer colorretal, pancreático e gástrico.

Embora o câncer colorretal seja globalmente um dos mais comuns e receba mais atenção, outros tipos, como câncer de mama e de próstata, também estão em ascensão. Nos Estados Unidos, onde os dados sobre incidência de câncer são especialmente detalhados, o câncer uterino tem aumentado 2% ao ano desde meados da década de 1990 entre adultos com menos de 50 anos.

O câncer de mama de início precoce aumentou 3,8% ao ano entre 2016 e 2019.A taxa de câncer entre adultos jovens nos EUA está aumentando mais rapidamente entre as mulheres do que entre os homens, e entre hispânicos mais rapidamente do que entre brancos não-hispânicos. As taxas de câncer colorretal entre os jovens estão aumentando mais rapidamente entre os nativos americanos e nativos do Alasca do que entre os brancos.

Além disso, os negros com câncer colorretal de início precoce têm maior probabilidade de serem diagnosticados mais jovens e em estágios mais avançados do que os brancos. Sonia Kupfer, da Universidade de Chicago, sugere que os determinantes sociais da saúde podem estar contribuindo para essas disparidades, incluindo acesso a alimentos saudáveis, estilo de vida e racismo sistêmico.

Fatores genéticos

A proeminência dos cânceres gastrointestinais e sua coincidência com mudanças alimentares em muitos países sugerem que as taxas crescentes de obesidade e dietas ricas em alimentos processados podem estar contribuindo para o aumento dos casos. No entanto, análises estatísticas indicam que esses fatores não são suficientes para explicar completamente a situação, segundo Daniel Huang, hepatologista da Universidade Nacional de Singapura. Financiadores proeminentes da pesquisa sobre câncer têm apoiado esforços para identificar outros contribuintes para o câncer de início precoce.

Uma abordagem tem sido procurar pistas genéticas em tumores de início precoce que possam distingui-los dos tumores em adultos mais velhos. Por exemplo, o patologista Shuji Ogino, da Harvard Medical School, e seus colegas descobriram algumas características potenciais de tumores agressivos em cânceres de início precoce, como a capacidade de suprimir as respostas imunitárias do organismo ao câncer. No entanto, as diferenças entre os tumores são sutis, e os pesquisadores ainda não encontraram uma demarcação clara entre cânceres de início precoce e tardio.

Além disso, os cientistas estão investigando o papel dos microrganismos que residem no corpo humano. Perturbações na composição do microbioma têm sido associadas à inflamação e ao aumento do risco de diversas doenças, incluindo câncer. No entanto, ainda não está claro se existe uma ligação entre o microbioma e os cânceres de início precoce, e os resultados até agora são preliminares. Isso se deve em parte à dificuldade de coletar dados de longo prazo sobre a dieta e outros fatores que afetam o microbioma.

Aumentar o tamanho dos estudos pode ser uma solução promissora. Por exemplo, os pesquisadores estão desenvolvendo um projeto para analisar possíveis correlações entre a composição do microbioma e o aparecimento do câncer em uma idade jovem, planejando combinar dados de colaboradores em diferentes regiões do mundo. A coordenação internacional é fundamental devido ao pequeno número de casos de câncer de início precoce em cada centro, o que fortalece as análises estatísticas, conforme destaca Kimmie Ng, diretora fundadora do Young-Onset Colorectal Cancer Center no Dana-Farber Cancer Institute em Boston.

Outra abordagem é examinar as diferenças entre os países. Por exemplo, o câncer colorretal de início precoce está aumentando mais rapidamente na Coreia do Sul do que no Japão, apesar das semelhanças econômicas entre os dois países. Pesquisadores como Tomotaka Ugai, epidemiologista do câncer da Harvard Medical School, estão investigando as razões por trás dessa disparidade.

No entanto, a falta de dados é um problema em alguns países. Na África do Sul, por exemplo, apenas 16% da população com seguro médico é contabilizada nos dados sobre câncer, deixando de fora aqueles sem seguro. Além disso, as famílias raramente mantêm registros de quem morreu de câncer, o que dificulta a compreensão completa do panorama do câncer no país, conforme relata Boitumelo Ramasodi, diretor regional para a África Austral da Associação Global do Câncer do Cólon.

Para entender melhor o aumento do câncer de início precoce, os pesquisadores também precisarão investigar o passado em busca de pistas. Barbara Cohn, epidemiologista do Instituto de Saúde Pública em Oakland, Califórnia, ressalta que o câncer pode surgir muitos anos após a exposição a agentes cancerígenos, como amianto ou fumo do cigarro. Portanto, os cientistas destacam que é crucial investigar o início da vida para compreender completamente esse fenômeno.

Leia o artigo completo aqui.